domingo, 17 de fevereiro de 2013

Sobre a Crise de 2008

  “O Estado será nossa ruína.”
  [Arquivo: 8/12/2010]

   Na época atual é incrível a falta de bons pensadores, falamos muito das insanidades das religiões, mas o que dizer da nossa insanidade econômica?
  Não estou falando só do Brasil, estou falando do mundo.
  Irlanda, Grécia, EUA, Espanha, Portugal…a lista é grande.
  Ainda não percebemos a importância de eleger bons administradores!!!



  Até em países antigos em estudos econômicos eu vejo tropeços em fundamentos básicos como o de NÃO GASTAR MAIS DO QUE ARRECADA.

  Todos os países onde o povo começa acreditar que o Estado é um paizão no final das contas acaba existindo para trabalhar para o Estado.
 A premissa deveria ser o contrário:

 O Estado trabalhando para o povo.

  Ninguém quer saber de onde virá o dinheiro, o importante é conseguir por decreto mais uma “conquista social”.

  O surgimento de bolhas e créditos podres é inevitável, então você tem que torcer para morrer antes da bolha estourar.

  Como naqueles jogos de pirâmide, mais cedo ou mais tarde alguém terá que pagar a conta.


  A massa não entender fundamentos básicos sobre “riqueza das nações” é até aceitável, a massa é medíocre.
   Mas eleger pessoas sem conhecimentos básicos de economia ou populistas é um crime sem perdão.
   Entendam que imprimir dinheiro sem produzir riqueza é a mesma coisa que pintar papel sem valor.

  Imprimir dinheiro sem lastro gera inflação.
  O único país que (infelizmente) ainda pode imprimir dinheiro inconsequentemente é o Estados Unidos.
  O Dólar é uma moeda mundial então a inflação gerada é dividida com o mundo todo.
  Claro, isso ferra o mundo e o Estados Unidos também é atingido, mas de maneira mais branda.
  Quando a água bate no traseiro do americano outros povos já estão se afogando.

  Não, não estou demonizando os americanos.
  Eles foram competentes para construir essa situação.
  Se outros povos “jogam mal” que culpa cabe a eles!?
 ▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  O maior “pecado” de um Governo é ter déficit o segundo maior pecado é ter constantes superávits.

  O déficit sinaliza que está administrando mal o dinheiro dos impostos, gastando mais do que arrecada.
  Se obriga a recorrer a Bancos e pagar juros.
  Vai se endividando e mais cedo ou mais tarde é obrigado a medidas de grande austeridade.

  Ter alguma reserva para emergência é aconselhável, mas o Governo não pode “visar lucro”.
  Se está sobrando dinheiro .... diminua o valor dos impostos.

  Se pensarmos um pouco a crise atual não é do Capitalismo, ele continua a produzir riquezas em grande escala nos países onde há RESPONSABILIDADE FISCAL.

  A crise surge dessa estranha contaminação da mentalidade mundial buscando por um Estado todo poderoso que nos “salve de nós mesmos” que seja a solução para todos os males da humanidade.
  Um Estado que tem obrigação de nos fazer feliz!

  Uma vida próspera e tranquila não é mais uma busca/construção do indivíduo é um dever de Estado!!

  Quando você fizer pressão por um Trem Bala, um novo estádio de futebol ou até um novo hospital ou escola com prédios suntuosos, procure saber o básico, de onde o dinheiro vem?

  Claro que o Estado pode imprimir dinheiro, mas só você enquanto sociedade pode produzir RIQUEZA.

  Você não está nem aí?

  Se você for do partidão ou da abastada elite econômica tudo continuará bem.

 Se não for…Zeus te ajude…






anterior                       <>                                próximo


---------------------------------------------------------------------------------------------
    NA ÉPOCA ATUAL É INCRÍVEL A FALTA DE BONS PENSADORES, FALAMOS MUITO DAS INSANIDADES DAS RELIGIÕES, MAS O QUE DIZER DA NOSSA INSANIDADE ECONÔMICA?

  Não estou falando só do Brasil, estou falando do mundo.
  Irlanda, Grécia, EUA, Espanha, Portugal…a lista é grande.
  Ainda não percebemos a importância de eleger bons administradores!!!

  Até em países antigos em estudos econômicos eu vejo tropeços em fundamentos básicos como o de NÃO GASTAR MAIS DO QUE ARRECADA.

  Todos os países onde o povo começa acreditar que o Estado é um paizão no final das contas acaba existindo para trabalhar para o Estado.
 A premissa deveria ser o contrário:

 O ESTADO TRABALHANDO PARA O POVO.

  Ninguém quer saber de onde virá o dinheiro, o importante é conseguir por decreto mais uma “conquista social”.

  O surgimento de bolhas e créditos podres é inevitável, então você tem que torcer para morrer antes da bolha estourar. 😄

____________



Postar um comentário