domingo, 26 de maio de 2013

Sobre Maquinas

  “Na manufatura e no artesanato, o trabalhador utiliza a ferramenta.
  Na fábrica, ele é um servo da máquina.”
  [Karl Marx]

  Para Marx o trabalho braçal do camponês ou artesão é libertador e o trabalho com maquinas escravizador.

  Como não podia deixar de ser, eu sou uma aberração para Marx, gosto de maquinas. 

   A máquina de lavar roupas é uma das minhas preferidas



Trabalhei por muito tempo em uma fabrica de óculos e fazia parte do trabalho regular as maquinas tão desprezadas por Marx.
  Nas que eu mais usava colocava nomes, lembrei agora chamar de Cristine uma maquina de colocar dobradiças, com o tempo inevitavelmente ficamos “ íntimos” e a chamava de Cris.
 Tive um daqueles problemas tipo “todo mundo odeia o William”.
 O encarregado me olhava torto gratuitamente até que um dia veio me questionar que coisa era aquela de “mexer na Cris”?

  Por uma infeliz coincidência a noiva do cara chamava Cristina e ele a chamava de Cris…

  Explicado o acidente, pedi mil desculpas e nos tornamos grandes amigos, mas perdi a mania de dar nome as maquinas.
  Gosto das maquinas porque elas nos poupam muito trabalho braçal e todos sabem que não sou chegado em trabalho de nenhum tipo quanto mais braçal.

  Que eu saiba Marx nunca pegou no pesado era tão ou mais vagabundo que eu.
  Eu pelo menos regulava maquinas, Marx nem isto.
  No trabalho e em casa passo boa parte do tempo em frente o computador, mas não trocaria esta “escravidão” pela liberdade de plantar café ou colher algodão.
  Também nunca tive habilidade com artesanato.
  Ainda bem que as teorias de Marx nunca deram certo ou eu estaria fu%#do com o trabalho pesado.

  Trabalhar sem boas maquinas me dá uma léseira.
[com sotaque baiano]




anterior                       <>                                próximo

Postar um comentário