sábado, 28 de setembro de 2013

Ficando em Silêncio

  “O silêncio é a mais perfeita expressão de desprezo.”  
[Bernard Shaw]

  Li uma notícia onde um homem perdoou o assassino de suas filhas porque segundo ele “Jesus mandou perdoar a todos”.

  “Após enterro, pai diz que perdoa assassino de filhas no interior de SP” [Globo]

  Todos a nível nacional elogiam, admiram este homem.
  Eu fico em silêncio, desprezo a atitude desse homem.

  Ele disse que “espera” que o bandido [quem sabe tocado por seu amor] nunca mais faça esta barbaridade e se converta a Deus.
  Como dizer para esse homem que Jesus não perdoou a todos?
  Budistas, muçulmanos, xintoístas e até muitos que se consideram cristãos arderão no fogo do inferno, se os evangélicos estiverem certos até mesmo este homem que pelo visto é católico, por sua idolatria a imagens não tem salvação.

   Eu não tenho o que falar com o marginal, é uma escoria que fica cada vez mais forte e ousada graças a estes “bons cristãos” sempre tão compreensivos com eles.

   Já pensaram que as moças assassinadas não eram mais crianças?
  Então nem o consolo do “vinde a mim as criancinhas” esse pai pode ter.

  Será que as meninas já tinham aceitado Jesus como seu único salvador e estavam na religião certa?

   Os bandidos ainda terão tempo para se converter em liberdade ou mesmo na prisão e irem para o céu enquanto as garotas podem ter recebido uma passagem direto para o inferno ... segundo a crença de seu pai.

    Quando vejo pessoas tão solidarias com bandidos já não tenho forças para dizer mais nada, apenas fico em silêncio.

  “Tudo posso naquele que me fortalece.”

  Quando eu era cristão pensava sempre as melhores coisas quando ouvia essa frase, até a repetia como um mantra.
  Descobri que não posso tudo naquele que me fortalece, não sou como o senhor José Benedito, não perdoaria o bandido, queria perpetua ou pena de morte, nem teria forças para enterrar minhas filhas.
  E sabem de uma coisa?
  Não tenho um pingo de inveja dele só o olho com um profundo silencio…

Josely e Juliana descansem em paz!

  Frutos apodrecidos antes de amadurecer.
  Flores selvagemente arrancadas da vida.
  Um dia que nem chegou ao entardecer.


  Quando os bons se omitem o mal sempre vence, o mal venceu mais uma vez...
Adolescentes choram no enterro das irmãs em Cunha (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)