terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Contra Burguês?

  “Não é possível legislar em prol da liberdade dos pobres, legislando de forma a cortar a liberdade dos ricos. Tudo que uma pessoa recebe, sem que tenha trabalhado, virá necessariamente do trabalho de alguém que não receberá por isso. Um governo não pode dar algo a quem quer que seja, que este mesmo governo não tenha tirado antes de outra pessoa.
  Quando metade da população de um país entende que não precisa trabalhar, porque a outra metade da população cuidará e proverá por ela, a metade que se vê obrigada a prover a outra entenderá que não adianta trabalhar, porque o fruto de seu labor não será seu.
  E esse, meu amigo, é o fim de qualquer nação. Não há como multiplicar a riqueza pela subtração”. [Dr. Adrian Rogers]   Clique Aqui
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
   Nossa realidade é muito mais perversa, ainda bem que temos um maravilhoso território senão estaríamos pior que o Haiti.
  Temos uma classe média [burguesia] cheia de culpas que se sente “obrigada” a cuidar dos pais irresponsáveis e pessoas que votam em políticos corruptos, dizem que são “caipiras inocentes” que não sabem o que fazem.
  E do outro lado ricos que apoiam o Governo de plantão em troca de obras superfaturadas e privilégios sobre a concorrência, não temos uma concorrência de mercado pela competência, temos uma corrida pelo prestigio de quem esta no Governo.

  Então não cortamos os privilégios dos ricos, carregamos nas costas os irresponsáveis e quem paga a conta é a classe média que acredita que não esta fazendo nada mais que a obrigação e espera um presidente “salvador”.
  Triste é a nação que precisa de heróis para sonhar com dias melhores, grandes líderes “salvadores” até existem, mas são extremamente raros, aposta muito arriscada.
  A classe média nesse país precisa se reconhecer BURGUESIA e votar em quem cuide de seus interesses, nós trabalhamos duro, pagamos pesados impostos, MERECEMOS um Estado que trabalhe para nós.




anterior         <>              próximo
Postar um comentário