quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Sobre Feudalismo

   “O Feudalismo foi um modo de organização social e político baseado nas relações servo-contratuais (servis). Tem suas origens na decadência do Império Romano. Predominou na Europa durante a Idade Média .
  Segundo o teórico escocês do Iluminismo, Lord Kames, o feudalismo é geralmente precedido pelo nomadismo e sucedido pelo capitalismo em certas regiões da Europa.”  [Wikipédia]    Clique Aqui
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
  Para um cara que sente tanto prazer em ouvir [ler] os mortos claro que eu tinha que me
interessar por história, Grécia, Roma, Egito, Pérsia, Impérios, Sistemas de Governo e Econômicos, Livros Sagrados, guerras, crises, avanços tecnológicos…enfim, para ouvir os mortos é preciso reproduzir mentalmente a época e o lugar e se transportar para o passado.
  A “inteligência abrangente” é rara, não é que os homens do passado fossem mais inteligentes que os de hoje é só uma questão de matemática, veja bem:
  Sendo a inteligência rara onde fica mais fácil encontrá-la?
  Em 70 anos [média de vida] ou em 3000 anos de história?
  Então vamos para a Idade Média? Vem comigo!
ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
  Na maior parte do tempo a civilização economicamente se dividiu entre a elite dominante e a plebe, o rei, faraó e sua corte mais seus súditos.
  O feudalismo era bem isso, o rei e o “partidão” donos de todo meio de produção e poder decidindo como deve ser a vida do “homem comum”.
  O país pertencia ao rei e até para plantar um pé de tomate você teria que pedir permissão a Vossa Majestade e pagar-lhe os devidos impostos.
  Em alguns reinos quando você casasse era uma “honra” que a primeira noite de sua esposa fosse com o Senhor Feudal, a primeira plantada de mandioca era dele…HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!
  Percebe que a propriedade não era sua, era do Estado e esse era o Rei e seu Partidão?
  Com tão pouco incentivo a produção o homem comum não via razão para produzir EXCEDENTES pois esses sempre iriam para o Estado, o jeito era ir SUBSISTINDO.
  Como as nações prosperavam?
  Oras, saqueando outras nações, já que a produção de riqueza era tão ineficiente, escravizar outros povos e roubar suas terras era o mais “lógico” a ser feito, “dominar para não ser dominado”.
  [Meditemos sobre isso antes de prosseguir, esta viagem é para poucos, muitos ficarão pelo caminho.]

  O Comércio em todos os regimes sempre teve necessidade da liberdade.
  O cultivo da terra prende, fixa o homem em uma região.
  O Estado estabelece fronteiras.
  O comércio tem essa necessidade de ultrapassar fronteiras ao mesmo tempo que tem que defender sua área de interesse de outros comerciantes o juiz é o frio e imparcial LUCRO.
  O Comercio historicamente não foi páreo para a Igreja e o Estado, mas no Iluminismo ganhou um outro aliado que rapidamente mostraria suas garras poderosas capaz de gerar muito excedente e gerar grandes lucros.
  Percebam que antes desse outro protagonista o comércio era altamente dependente da terra, do camponês, e dos humores do Estado que não raro era dominado pelos humores da Igreja.
  Bom, a maioria aqui já sabe de quem estou falando a REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.
  Homens livres se tornaram mais poderosos que Reis e Papas, surgia ali o CAPITALISMO SELVAGEM e mais rápido do que descobrimos que o feudalismo não era bom, descobrimos que o Capitalismo Selvagem não era bom.
  No entanto estávamos mais inteligentes, com mais pensadores livres e chegamos à conclusão que deveríamos desenvolver instituições independentes que protegessem a sociedade do excesso de poder, EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIARIO, boas idéias.
Capitalismo sim, volta a selvageria não.
ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
  Indo direto ao ponto, se o poder tem que estar em alguma “classe” é bom que esteja no equilíbrio, na “burguesia” …

NA CLASSE MÉDIA

  Porque elegemos líderes que não defendem nossos interesses?
  Porque temos vergonha de assumir nossa burguesia, como alguns burgueses que compravam títulos de nobreza desejando pertencer a uma ilusória “elite de sangue azul”?
“Decifra-me ou te Devoro!”





anterior         <>              próximo
Postar um comentário