quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Sobre Libido

 "Uma pesquisa realizada em 13 países (inclusive no Brasil) apontou que as mulheres estão preferindo mais chocolate do que sexo. Segundo a pesquisa no Brasil 83,6% das participantes colocaram o chocolate no topo da lista e em segundo lugar ficam as compras.
  Na minha opinião, para as mulheres colocarem o chocolate e as compras antes mesmo do sexo é que seus parceiros não estão sabendo lhe dar com a "coisa".



  Faz tempo que queria escrever sobre isso, mas são tantos assuntos e esse precisa de muitos filtros, fica demorado.

  Destaquei um comentário que considero muito importante por trazer à tona como a sociedade Freudiana equaciona o FATO da mulher com o passar do tempo perder seu apetite sexual, sempre é CULPA do parceiro que não está sabendo fazer a “coisa certa”.
  Eu admiro demais Darwin, consigo dialogar muito bem com ele, já Freud foi um grande engodo.
  A psicanálise trouxe mais ineficiência para sociedade que algum avanço observável.

   Para Darwin o fim da idade reprodutiva traz também uma natural diminuição do desejo isso é até útil para nos mantermos casados e cuidando dos filhos.

  Darwin é legal, mas Freud me irrita profundamente.



  O pior que os pensamentos freudianos fizeram pela humanidade foi enfraquecer uma Filosofia de boa qualidade, hoje temos uma psicanálise que serve para pouca coisa e uma Filosofia que precisa ser reaprendida, pois se perdeu no tempo.
  Se tivéssemos nos aprofundado na Filosofia no último século hoje possivelmente as Empresas estariam contratando ou consultante Filósofos.
  Psicólogos seriam lembrados como experiências cientificas que não deram certo como a lobotomia por exemplo.
  Vivemos em uma época que Filósofos são Marxistas, Psicólogos são Freudianos e a realidade não está nem aí para eles, a carruagem passa enquanto os cães latem.

  Então, influenciadas pelo freudianismo, todas as mulheres sentem o DEVER de manter o mesmo nível de apetite sexual que atingiram lá por seus 19 anos, mas na REALIDADE isso não é possível para a maioria delas, não escolhemos o que sentir.
  Começam a apelar para remédios que lhe devolvam a “vontade de viver” ou culpam o parceiro por falta de “habilidade sexual”, ora o parceiro desaprendeu o que sabia fazer tão bem ou foi a mulher que mudou?
  Porque no começo uma fungada no cangote já bastava para mulher ficar excitada, depois de um tempo mesmo o cara caprichando nas preliminares a mulher diz: “você não está fazendo direito”😆

  A sociedade Freudiana busca a felicidade e como já escrevi em um texto a felicidade NÃO EXISTE.
  Freud baseia muito da sua teoria no Libido [energia fundamental do ser vivo que se manifesta pela sexualidade], para Freud sentir menos desejo sexual é sentir menos vontade de viver.

    Será que não podemos ter uma vida satisfatória mesmo sem aquele incontrolável desejo sexual?

  Ou nos convencemos dessa ILUSÃO e criamos uma realidade encima dela?

  Tenho na minha LEMBRANÇA como era gostoso desejar ir para cama com qualquer mulher mais ajeitadinha e quando conseguia era muito prazeroso.
  O enigma é: Como conciliar esse “desejo de viver” com a fidelidade no casamento?

  Os sofismas Freudianos tornam o casamento algo angustiante, preciso casar, quero casar, mas sinto que se casar estarei caminhando para a morte, porque a “diminuição do desejo é a diminuição da vontade de viver.”

     Será que somos seres tão sexuais assim?

  Será que a teoria do Libido resiste a lógica de uma Filosofia Matemática?

  Não percam o próximo capitulo…
  


anterior         <>              próximo


Postar um comentário