sábado, 17 de março de 2018

Pior Aluno da Escola


  Se o indivíduo sente vontade de fazer o errado e não faz, isso é louvável.
  Se o indivíduo não sente vontade de fazer o mal, é melhor ainda.

 “Já nos primeiros anos de escola eu era uma criança isolada pelos meus pensamentos.
  Um dia meu pai me levou a escola e eu naturalmente, como sempre fazia, fiquei em um cantinho distante de todos perto do alambrado até chegar a hora de entrar.
  Naquele dia meu pai discutiu um tanto ríspido com minha mãe sobre minha dificuldade de socialização, meu pai achava que era culpa da minha mãe e minha mãe dizia que era culpa do meu pai.
  Eu não sabia de nada, até hoje não entendo a maioria das coisas, mas não queria ver meu pai e minha mãe discutindo então quando meu pai me acompanhava até a escola [Foram raríssimas vezes] eu me aproximava de uma roda de alunos e fingia ter muitos amigos, quando meu pai sumia no horizonte satisfeito, eu voltava para o meu cantinho, observando a vida de longe, tentando entender seu sentido.”

  Vou dividir com vocês algo que não entendia quando criança e continuo não entendendo.
  Gosto do Danilo Gentili, da TV aberta atualmente só gravo esse programa e o Jornal da Band.
  Entretanto quando ele falava do seu filme eu corria a gravação.
  A proposta do filme já me desagrada.
  Como ser o pior aluno da escola?
  Que graça tem isso!
  O que me provocou essa meditação foi uma Rodada da Noite (um quadro do programa) onde os convidados relataram suas traquinagens na escola, coisa pra lá de idiotas.
  Danilo conta com certo "orgulho" a vez que subiu no telhado da escola e jogou objetos em quem passava.
  Isso me provoca ... como dizer ... repulsa.
  Acho muito primitivo.
  Aceito numa boa esse comportamento ... em um chimpanzé.
  Um ser humano supostamente inteligente fazendo isso ... não entendo.

  Não me lembro de alguma vez ter feito alguma traquinagem com colegas de escola.
  Desrespeitar qualquer professor era impensável pra mim.

  Antes de demonizarem Danilo e seu convidados...

  No trabalho eu estava próximo há um grupo de "idosos" (pessoas com cerca de 65 anos) como não sou surdo e não podia sair do local, ouvi eles conversarem sobre as peraltices na infância.

  Uma mulher falou de como enganava a mãe para nadar com garotos em um lago distante.
  Claro que a mãe descobria e ela apanhava, mas bobeou ela fugia para o lago, imaginem o perigo, uma garota na "pré adolescência" em lugar ermo, por sua conta e risco.

  Um homem falou sobre como judiava de cães e gatos.

  Outro de como usava seu estilingue para quebrar janelas.

  Todos riam, "orgulhosos de seus feitos".

  Entendo que em nossa infância nos falte juízo.
  Claro que fiz coisas idiotas, a diferença é que não consigo me orgulhar nem achar graça.
  Uma coisa idiota que fiz foi mexer na válvula do pneu de um carro do meu tio.
  Eu era curioso de como o ar entrava e não saía, queria entender o mecanismo.
  Mas ao saber que esvaziar o pneu prejudicava o veículo parei de fazer, ajudou também meu tio ver e ficar "p" da vida.
  Nunca prejudiquei animais, entendi desde cedo que sentiam dor igual eu.
  Atirar pedras para quebrar janelas ... primitivo .... repulsivo.

  Noto que a maioria das crianças não são peraltas além do esperado.
  Não saem por aí atirando pedras, maltratando animais, se colocando em risco.
  Mas noto também que a maioria vê com  uma certa admiração os "bagunceiros".
  Isso eu não entendo.
  A pessoa queria fazer o que o "rebelde" faz?
  Se o indivíduo sente vontade de fazer o errado e não faz isso é louvável.
  Se o individuo não sente vontade de fazer o mal é melhor ainda.


  Não entendo a admiração que muitos têm pelos bagunceiros/indisciplinados. 
  Não entendo a graça que veem no comportamento primitivo.
  Se a situação social exige eu fico por perto, mas louco para voltar para o meu cantinho longe de tudo e de todos em um lugar que as coisas façam sentido.

  Não sou daqueles pais que cobram o máximo dos filhos.
  Se minhas filhas forem alunas médias já me dou por satisfeito.
  Entendo os que se esforçam para serem os melhores, tem meu respeito e admiração.

  Se esforçar para ser o pior!?
  Não faz sentido.
  Admirar crianças cujo prazer é atormentar outras e achar graça nisso ... primitivo, nada civilizado.

  "Quando pagar o bem com o bem, então o povo será encorajado a praticar o bem.
    Quando pagar o mal com o mal, então o povo ficará prevenido de fazer o mal."


  





.