sábado, 30 de janeiro de 2016

Noruega e o Liberalismo


   “Latinos com sua cultura ineficiente sempre atrás de um Estado Paizão estão estragando os Estados Unidos.”

   Nas minhas meditações foi impossível não reconhecer a superioridade dos povos de origem Anglo Saxã de se organizar em sociedade mais eficientes.

  Anglo-saxão é a denominação dada à fusão dos povos germânicos (anglos, saxões e jutos) que se fixaram no sul e leste da Grã-Bretanha no século V e criaram a nação inglesa.

  Na "tentativa" de ser entendido separei genericamente em duas “forças”, escolhi dois países que as representam.

  Força Anglo Saxã = Cultura do EU.
  Inglaterra e Alemanha são povos que que a representa satisfatoriamente no decorrer da história.
  Tende a priorizar a responsabilidade do indivíduo por sua própria vida.

  Força Latina = Cultura do NÓS
  França e Itália a representam.
  Tende a priorizar a responsabilidade do Estado pela vida de todos.

  A eficiência do povo germânico esta historicamente mais do que comprovada, principalmente se comparada com nossa mistureba brasileira.
  A Alemanha foi destruída por duas grandes guerras e é o que é, uma das maiores economias da Europa.
  Nós temos esse território maravilhoso, um tamanho continental, estivemos distantes dos grandes conflitos mundiais, não temos grandes catástrofes geológicas e ... somos subdesenvolvidos como somos.

  Não é de se admirar que Hitler era avesso a “mistureba” para preservar a “pureza da raça ariana”.
  Raça Ariana é um mito/lenda na realidade o que temos é a “genealogia” Anglo Saxã.

  Mas vamos falar da Noruega, um país pequeno com pouco mais de 5 milhões de habitantes, porém muito citado na Internet como “socialismo que deu certo”, a “Social Democracia”.


 Eu vejo como Governo de CENTRO DIREITA.

  O território que hoje é a Noruega foi habitado por populações germânicas/anglo saxãs desde a pré-história.
 
  Logo, se esquecermos todas as teorias/ideologias econômicas já temos uma boa base para o sucesso de certos povos, historicamente apresentam uma cultura mais eficiente/lógica/coerente.

  No entanto, nessa meditação meu foco é justamente nas teorias econômicas, vamos a elas...
 
👨 “Um bom exemplo de socialismo e de benefícios da tributação, é a Noruega, que dizem ter uma tributação em torno de 50%”.
  [Evandro Vaz no G+]

  É comum muitos pensadores associarem Socialismo diretamente a carga tributária.
  O Socialismo prega grande intervenção do Estado na economia, a cobrança de impostos é sem dúvida uma enorme intervenção.
  Quanto maior a cobrança de impostos, mais Socialista o país é?
  Quanto menor a carga tributária mais Capitalista o país é?

  Para entendermos que isso não está diretamente relacionado temos que voltar ao conceito básico e mais extremo do que é Socialismo (“comunismo”) e Liberalismo Econômico (“capitalismo”).

Capitalismo = Meios de produção nas mãos de particulares.
(Privatização da economia)

Comunismo = Meios de produção nas mãos do Estado. (Estatização da economia)

  Nenhuma nação é 100% Capitalista ou 100% Comunista.

  Qual a melhor maneira de detectarmos o quanto uma nação está mais para uma ideologia que para outra?
 O melhor procedimento (na minha opinião) é analisarmos o grau de Intervenção do Estado na Economia.
  Sem dúvida a cobrança de impostos é uma grande intervenção do Estado, mas não é o suficiente para determinarmos o quanto uma nação é Comunista ou Capitalista.

  Um exemplo para visualização mental:

1 -  Sua esposa pega 50% do seu salário e os outros 50% você usa como bem entender, ela não dá pitaco, você é livre para gastar como quiser.
  Sem dúvida sua esposa confiscar 50% do seu salário é uma grande intervenção, mas se ela usa o dinheiro corretamente para a manutenção da casa, não há problemas.
  É preciso pagar água, luz, comprar comida...
  Isso é o que acontece na Noruega.

2 -  Sua esposa confisca 40% do seu salário e também da pitaco (intervém) no que você faz com os outros 60%.
  Para piorar ela não administra bem os 40%, faltam produtos básicos como arroz e feijão e sobra shampoo.
  Faltam hospitais e sobram estádios de futebol.
  Isso é o que acontece no Brasil.
  Não se esqueça que “Estado/Governo” não é só o Presidente da República e seus ministros.
  Tem vereadores, deputados estaduais, deputados federais, prefeitos, governadores ... o poder judiciário que não é eleito.
  Quero dizer que nessa hora o tamanho conta.
  Uma família de 5 membros (em geral) é mais fácil chegar a um consenso que uma família com 200.
  Essa é a diferença proporcional do tamanho da população norueguesa e brasileira.
  Aqui há vários Estados maiores que a Noruega e que dão um enorme prejuízo.

 Prefeituras também são grande problema.

  Aqui em Campinas políticos criaram uma Lei onde pessoas que fizeram redução de estomago tem 50% de desconto em restaurantes.
  O Governo cobra uma alta carga tributária e ainda intervém nas empresas as forçando a dar benefícios pra lá de questionáveis.

  Quanto o Governo intervém na maneira como você administra sua empresa na Noruega?

  Para vocês terem uma ideia a Noruega está entre os 27 países com maior liberdade econômica.

  O Brasil está na posição 118.

  Cuba está na posição 177.

  Coréia do Norte que é a mais fechada está na posição de 178.

  Fica claro que a Noruega cobra altos impostos, mas a cultura de baixa tolerância com a corrupção e incompetência administrativa, faz com que a população tenha bom retorno.

  Lula jamais seria reeleito na Noruega depois do escândalo do mensalão.
  Dilma seria destituída rapidamente se praticasse a fraude fiscal que praticou aqui no Brasil.

  Fica claro que os meios de produção na Noruega estão nas mãos da iniciativa privada e quando não estão...

  "A Statoil é uma estatal norueguesa na qual simula o funcionamento de uma empresa privada, as regras que a guiam são geridas pela lógica do mercado.
  Ela não tem direito automático de exploração em todas as áreas da Noruega.
  Ou seja, ela pode decidir em quais licitações é benéfico para ela entrar, não tendo reserva de mercado.
   Além disso, o conselho dela é majoritariamente composto por pessoas não ligadas ao governo – o contrário da Petrobras, cujo conselho é composto por 70% de pessoas indicadas pelo governo."

  Acontecem coisas como essa:

  “LULA FORÇOU PETROBRAS A PATROCINAR ESCOLAS DE SAMBA DO RIO”

  Dinamarca, Noruega, Finlândia, Suíça, Suécia ... são populações pequenas.
  Em cidades pequenas o crime é reduzido porque?
  “Todo mundo conhece todo mundo”.
  Se chega alguém de fora chama a atenção.
  Uma coisa importante na pratica de qualquer crime é não ser identificado.
  O mundo está passando por uma grande evolução justamente porque a tecnologia está nos transformando em uma grande “Aldeia Global”.
  O que o cidadão faz lá em Brasília agora o cidadão que mora lá em Macapá fica sabendo se tiver acesso à Internet.
  Há câmeras e registros eletrônicos por toda parte.
  Os corruptos fazem transações com dinheiro vivo porque é mais difícil ser rastreado, por isso essas apreensões de dinheiro em malas e cuecas...
  Mas de que adianta ter dinheiro se não dá para gastar?
  Aí entra empresas de fachada, imóveis em nome de laranjas, contas secretas no exterior.
  Os caras são profissionais, fazem de tudo, por isso por vezes não dá para prende-los, faltam provas conclusivas.
  No entanto você eleitor não precisa de provas conclusivas para negar seu voto a alguém.
  O cidadão é pego em atos pra lá de suspeitos e não tem uma explicação convincente ... NÃO VOTE NELE!
  É o que os noruegueses fazem.
  Se nossa cultura é uma mer#a, que tal copiarmos a deles?
  Lembrei dessa frase:

  “Há algo de podre no reino da Dinamarca.”
   [William Shakespeare]

  Corrupção e ineficiência há em toda parte, claro que há também na Noruega e Dinamarca.
  A diferença é que lá eles combatem e aqui muitos defendem com unhas e dentes, na última eleição (2014) foram 51% dos eleitores.

    






Texto muito interessante:

 “Embora os países escandinavos apresentem uma quantidade extremamente alta daquilo que Rothbard classificou como intervenção binária - isto é, tributação -, seu ponto forte é sua quantidade relativamente mais baixa de intervenção triangular - isto é, regulamentação.
  Isso coloca os países escandinavos no mesmo nível de competitividade de outros países desenvolvidos, e ajuda a explicar por que eles são capazes de apresentar um padrão de vida equivalente ou até mesmo maior...


   



.