quarta-feira, 19 de junho de 2019

Criminal Minds

"As artes corrompem a Sociedade."

  A frase é de Jean-Jacques Rousseau um pensador o qual não tenho afinidade.

  Mas para essa meditação ela cai como uma luva.
  Corromper é uma palavra forte, desperta sentimento negativo.
  Porem se substituirmos por "influenciar" a frase fica óbvia, não é isso que quero para o texto.

  As artes tem enorme poder de corromper a sociedade, por isso Rousseau sugeria controle rígido das artes.

  Eu passo longe disso.
  Seria hipocrisia alguém que fala tanto em liberdade sugerir rígida censura as artes.
  Me contento em debate-las, vamos a um exercício prático.

  Tem uma série que comecei a gravar por me parecer mais adulta em meio tantos filmes de super heróis e comédias.
  Criminal Minds é uma série de sucesso senão não teria tantas temporadas.
  Assisti a primeira temporada, assisti a segunda e já nem queria mais gravar, mas a falta de filmes e séries inteligentes/adultos me deixa sem opções, fui assistindo até a gota d'água ...


  A assassina matava mulheres e as transformava em bonecas.
  Isso mesmo.
  Sequestrada mulheres pequenas com aparência angelical, administrava uma droga que as mantinha conscientes, mas paralisadas.
  As moças tinham que ser 3, uma negra outra morena e outra loira.
  A assassina confeccionava roupas a mão para cada uma delas.
  As maquiava e penteava de forma a ficarem idênticas as bonecas.
  Quando uma moça morria ela sequestrada outra para substituí lá.
  As moças duravam cerca de dois meses, o corpo delas ser mantido em estado de paralisia tanto tempo provocava derrame cerebral.

  É, os roteirista criam crimes inimagináveis.

  Mas os americanos são muito competentes na produção de seus filmes, os atores são fantásticos, os efeitos muito convincentes.
  As cenas são horríveis e deprimentes.
  Percebi que a série me deixava com uma tristeza profunda.
  No final eles salvavam alguém, mas antes disso 3 ou 4 morriam de maneira monstruosa.
  Isso ficava atormentando minha mente.

  Essa arte/filme corrompe quem assiste de várias maneiras, uma delas é colocando na cabeça de psicopatas sugestões de crimes horripilantes e maneiras de não serem descobertos pela polícia.

  Entretanto a maioria de nós não é psicopata ... pelo menos com gravidade.
  Eu não sou, no meu caso o problema é buscar um entretenimento para relaxar e no final sempre terminar triste.

  Porem tem uma coisa que me incomoda ainda mais.

  A meu ver o que mais corrompe nossa sociedade é o "psicologismo" embarcado nesse tipo de filme.

  Nem lembro bem do final desse episódio.
  Me parece que a assassina teve algum problema com bonecas que foram tiradas dela na infância.
  Somou-se a isso o pai ser pedófilo, não fez nada com ela, mas abusava de outras meninas.

  Onde está o psicologismo?

  É sempre isso nessa série e nos mais diversos filmes.
  O assassino é bom porque todos nascemos uma folha em branco.
  A "monstruosidade " sempre vem de algum trauma da infância.
  Os mais comuns são:

 💣 Abuso sexual.
 💣 Espancamento.
 💣 Viu a mãe e/ou pai morrer.

  No caso desse episódio.
  A mulher podia depois de adulta denunciar o pai.
  Podia virar pedófila com garotos.
  Podia se entregar a bebida/drogas.
  Podia se afastar daquilo tudo e nunca mais falar com o pai.
  Mas não o roteirista quer algo “diferente”.
  Então decide que a mulher vai sequestrar mulheres e transforma-las em bonecas!!

  Antes desse episódio já havia assistido a outro bizarro (entre tantos outros).
  Sabe quando você não acredita no que está assistindo, mas vai seguindo só para ver até onde vai a imaginação do roteirista e diretor?
  O assassino matava as mulheres e pegava como troféu a panturrilha, é, a "batata da perna" como minha vó falava.
  O cara tinha fetiche por panturrilhas, era assim que escolhia suas vítimas.
  De certo devia ser mais algum trauma de infância ... desliguei antes do fim.

"As artes edificam a Sociedade."

  Nesse tipo de meditação não podemos deixar de lado a dialética.
  (Em sentido bastante genérico, oposição, conflito originado pela contradição entre princípios teóricos ou fenômenos empíricos.)

  Um filme, novela, conto também podem semear o “bom mocismo”, ética, honestidade, honra.

  Na própria série Criminal Minds os crimes são horríveis, mas os protagonistas são pessoas muito integras, honestas, excelentes profissionais.

  O que eu pretendo passar com essa meditação?

  Sou contra o Estado censurar (interferir em) produções artísticas, prefiro que cada indivíduo repense o tipo de arte que está disposto a consumir.
  Gosto é gosto, se aprecia um tipo de arte (bizarra ou não) deve prestigiar.

  O problema é prestigiar uma arte só porque virou moda ou uma celebridade ou “critico de artes” gostou.

  Vejam meu caso, nunca me interessei por quadrinhos da Marvel ou DC.
  No entanto faz anos que filmes baseados em “super heróis” tomaram conta do cinema.
  Eu no geral não gosto e não prestigio.


  Os Vingadores?
  Quando o filme tem um super herói e bom roteiro consigo assistir.
  Aquele monte de gente super poderosa lutando contra Thanos ... me distraio melhor com episódios do Chapolin Colorado 😄

  Outro grande problema é você se deixar levar por uma “onda” sem identificar se aquilo está de acordo com seus valores, sua natureza.

  Isso é difícil explicar ... vou dar um exemplo.
  Se você assistir filmes (novelas) da década de 50, 60, 70 a “onda” era fumar cigarro.
  Símbolo de charme, sofisticação, “ser adulto”.
  De certo muitas pessoas começaram a fumar apenas para entrar na onda.
  Depois de 80 o cigarro foi se tornando um grande inimigo.
  Nas novelas e filmes foi praticamente banido.

É importante conhecer a si mesmo.

  Se realmente sente vontade de experimentar algo (até cigarro ou homossexualidade) ... tudo bem.
  Gostou, gostou; não gostou não gostou.

  O problema é se obrigar a gostar (ou não gostar) só para fazer parte da “onda”.

  No caso de filmes, novelas, pinturas, esculturas, shows ... você vai sentir um vazio/tédio por estar onde não gostaria de estar, vendo algo que não queria ver.

  No caso de drogas, bebidas, jogatinas, “perversões sexuais” ... podem te levar a dependência.
  Você entra na onda sem querer e acaba querendo muito.

  E agora, quem poderá te defender?

  




.

Nem Chapolin na causa...😕