sábado, 24 de novembro de 2018

Consumidor ou Consumista?


- Tinha curiosidade pelo produto, veio em boa promoção, comprei e ... me lasquei.

  


  Não sou "consumista”; como tenho situação financeira estável de vez em quando experimento novidades ... se não for muito cara.

  Na maioria das vezes a compra é satisfatória outras vira só mais uma bugiganga sem utilidade.

  Procuro ler os comentários sobre o produto (quando disponível, óbvio), o problema é que sempre tem quem fale bem e quem fale mal.

  “Cuidado com as falsas avaliações de produtos!”

  Também há pessoas muito exigentes, por alguns trocados querem adquirir a oitava maravilha do mundo.

  Minha última compra foi uma catástrofe.
  Faz tempo aparece no Face uma armação de óculos regulável que promete funcionar como binóculo.
  Achei interessante, mas daí a comprar ... não via muita utilidade para minha vida nesse momento.
  Ao adquirir um carrinho de fazer compras no Mercado Livre foi me oferecido esse óculos por 80 reais.
  Adicionando esse produto o frete dele e do carrinho seria grátis.

  Quem não fantasia ter “super visão”?
  Moro em um prédio alto, com esse óculos binóculo poderia ver algum detalhe na rua caso necessário.
  Minha visão já não está mais aquelas coisas, poderia usar para ler alguma bula de remédio ... como disse não tem muita utilidade.

  Tinha curiosidade pelo produto, veio em boa promoção, comprei e ... me lasquei.

   


  
  Fiz um teste para ler bulas, ficou mais fácil ler sem o tal óculos.
  Mesmo com regulagem mínima o foco fica longe.
  A fantasia de super visão não passa nem perto, é como se olhasse por um furo na parede através do fundo de uma garrafa de vidro.
  Não recomendo, o produto funciona em um foco especifico, fora disso a distorção é imensa.
  Não dá para caminhar usando o óculos (por exemplo) provoca desorientação.
  Ao olhar pela sacada lá em baixo na rua há aumento da imagem e grande perda de definição, ver detalhes como placa de carro nem pensar.

  No geral minhas experimentações são satisfatórias, trazem um conforto a mais, mesmo quando uso pouco o produto.

  Tenho uma parafusadeira a bateria que fica na caixa a maior parte do ano, mas sempre que precisei foi muito útil, fiz rapidamente coisas em casa que sem ela seriam muito trabalhosas.
  Funciona também como furadeira (para serviços leves).

  Outra compra satisfatória para ilustrar esse texto foi o teclado sem fio que estou usando.

   


  No passado experimentei um mouse sem fio, não gostei e por anos fiquei receoso de comprar o teclado.
  Me arrisquei nesse aqui faz pouco mais de 1 ano e acreditam que nem as pilhas troquei!
  Digito bastante, é prático, confortável, bom produto.
  Me animou a experimentar novamente o mouse sem fio, quem sabe teve uma evolução.
  Mas daí a comprar, leva um tempo ... o mouse com fio funciona tão bem.
  Quem sabe quando esse quebrar eu substitua por um sem fio.
  Precisar não precisa, mas se posso ter uma facilidade a mais sem grande custo é uma compra aceitável.

  Se para comprar coisas simples sou tão criterioso, imagine com as mais custosas.

  Sou consumidor, não consumista.

  “Consumismo refere-se a um modo de vida orientado por uma crescente propensão ao consumo de bens ou serviços, em geral supérfluos, em razão do seu significado simbólico (prazer, sucesso, felicidade).”





.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Relatos de Milagres


 “Você (William) tem certa evolução para além dos limites de outras pessoas.”
[Nihil no G+]


  Não me parece.
  Meu senso lógico supera a média, mas é só isso.
  Inúmeras pessoas passam por ... digamos ... “desdobramentos”.
  (A própria Nihil tem testemunhos interessantes)

  Acontece que a maioria ignora.
  Colocam absolutamente tudo por conta de algum “devaneio” ou coincidência.
  Já ouvi/li relatos incríveis das mais diversas pessoas.
  É comum alguém que até caçoa de mim chegar em reservado e contar acontecimentos incríveis.
  Pedem segredo, eu respeito.

  Escrevi sobre um “milagre” que aconteceu comigo o qual atribuo a Maria.
  
  Tempos depois uma colega muito séria, que eu respeito muito, me disse que algo semelhante ocorreu com ela.
  Estava em uma situação crítica, seu marido sofreu grave acidente em Santos.
  Pulemos os detalhes...
  Ela estava empregada, mas ganhava pouco, tinha 3 filhas pequenas.
  O marido trabalhava informalmente, durante a recuperação dali não sairia dinheiro, muito pelo contrário, a colega que mora em Campinas teria despesas se deslocando até Santos onde o esposo ficou internado.

  Ela tinha muita fé em Maria, rezava desesperadamente, não tinha a menor ideia de como iria sobreviver diante de tantas dificuldades.

  Na estação de trem em Campinas seguiria rumo a Santos.
  Ao lado dela havia um pacote, alguma coisa induziu a pega-lo.
  Tinha poucas pessoas na plataforma, aquilo parecia um lanche esquecido por alguém.
  Quando abriu o embrulho ... tinha cerca de “15 mil reais”.
  (Faz muito tempo, com tanta mudança de dinheiro é difícil precisar a quantia, pelos cálculos dela era equivalente a isso hoje)
  Foi o suficiente para passar toda aquela fase nefasta.
  Fiquei impressionado com mais esse relato e alegre por esse milagre na vida da colega.




  Mas também fiquei com inveja e chateado com Maria.
  Poxa vida, Nossa Senhora, para eu foi uns 15 reais, para ela 15 Mil!!
  Sacanagem! 😄

  De qualquer forma.
  Todo mundo odeia o William, Maria me amou um pouquinho, valeu, foi o suficiente.
 💖
  
 .