quinta-feira, 21 de março de 2019

Coletes Amarelos

  “Coletes amarelos entram em confronto com a polícia em Paris no 18º sábado de mobilização.
  Agências bancárias foram destruídas e lojas foram saqueadas na tradicional avenida Champs-Elysées.”

  


   Nas passeatas tem muitos indivíduos agindo sobre a inspiração dos ideais da Revolução Francesa que nossas escolas idolatram tanto.

  “Querem acabar com tudo isso que está aí.”

  Na Revolução Francesa os caras que acabaram com tudo que havia na França chegaram ao poder.
  Logo em seguida começaram a matar todos os desafetos.
  Para ser um desafeto bastava questionar a ideologia deles.

  “Na Revolução Francesa, o Reino do Terror, ou simplesmente O Terror, foi um período compreendido entre agosto de 1792 (queda dos girondinos) e 27 de julho de 1794 (prisão de Maximilien de Robespierre, ex-líder dos Jacobinos).
  Durante esse período as garantias civis foram suspensas e o governo revolucionário, controlado pela facção da Montanha dentro do partido jacobino, perseguiu e assassinou seus adversários (um número indeterminado, entre 16.000 e 40.000 pessoas foram guilhotinadas).
  O Terror durou aproximadamente um ano, de meados de 1793 a meados de 1794".
[Wikipédia]

  Entendam que sempre alguém ocupa o poder.

  Pense um pouco.
  A população de Campinas destrói toda a prefeitura, mata vereadores, prefeito e seus assessores...
  O que vem depois?
  Novas eleições?
  Mas já temos eleições a cada 2 anos para os mais diferentes cargos, é só votar, a arruaça é dispensável.

👨Chega de eleições, a democracia não funciona!”

  Historicamente sabemos o que acontece nesses casos.
  Passa a vigorar a lei do mais forte.
  As pessoas se organizam em grupos e "adotam" um líder.
  Como o diálogo não é suficiente (ainda mais quando não tem um mediador poderoso como o Estado) as gangs, máfias, milícias começam a se formar.
  É o que vemos entre muitos povos africanos e muçulmanos onde um determinado grupo comanda uma pequena região.
  Aqui no Brasil temos exemplo disso em vários Estados.
  Regiões controladas por "grupos" que cobram taxa de proteção dos moradores onde a polícia só entra se estiver muito bem armada, preparada para guerra.

  Veja bem que estou falando em termos de uma cidade, imagine acabar com o governo de um país.
  Nem polícia ou forças armadas é possível ter.

  Tem dois pensamentos muito relevantes para essa meditação:

  "A mente que se abre a uma nova ideia, jamais volta ao seu tamanho original."
[Albert Einstein]

  “Nos indivíduos, a loucura é algo raro - mas nos grupos, nos partidos, nos povos, nas épocas, é regra.”
 [Friedrich Nietzsch]

  Vejo pessoas com conhecimento e aparentemente inteligentes que se unem a cada grupos que não dá nem para comentar
  Veja o caso do grupo crescente contra a vacinação.

  É um fenômeno difícil de conceber, mas impossível ignorar.
  Quando decidir fazer parte de um movimento, enquanto individuo analise profundamente se faz sentido.
  Porque depois que você entra a irracionalidade pode entorpecer seus sentidos.

  Como uma população desenvolvida igual a francesa pode regredir com protestos cada vez mais “selvagens”?


   

“O movimento dos coletes amarelos começou com manifestações na França em outubro de 2018.
  Posteriormente, se espalhou para outros países.   
  Inconformados pelo aumento dos preços dos combustíveis
  Porem...
  Ao analisar a evolução dos preços nas bombas de combustíveis desde 1960, observa-se que o preço no fim de 2017 se situava na média de preços de 1960.”

  Minha analise “filosófica é que temos que persistir na busca constante de sociedades mais organizadas e justas, mas pelos caminhos corretos.

  VOTANDO COM CONSCIÊNCIA E PRESSIONANDO OS ELEITOS.

  Qualquer um pode se candidatar.
  Se acha que tem popularidade suficiente se eleja e faça a diferença.
  Protestar impedindo o direito de ir e vir e/ou destruindo patrimônio é um retrocesso da civilização.



.



sexta-feira, 8 de março de 2019

Vadiagem

   Vadiagem consiste em o indivíduo levar vida ociosa, em local público, sem renda própria, estando apto para trabalhar.
   É considerada contravenção penal.

  No passado não tão distante (em termos de história da humanidade) não havia o que chamamos de "desemprego".
  Até porque não existia emprego como reconhecemos hoje, a famosa "carteira assinada".
  No Brasil e no mundo valia o que estava acordado entre as partes, contratante e contratado.

  Com pouca tecnologia tudo dava muito trabalho.
  Lembremos que o Brasil passou por rápido processo de industrialização só na década de 1970.
  Antes disso éramos país rural.

  Evidente que nada é tão simples, mas em teoria quem procurasse trabalho encontraria.
  Havia grande escassez de mão de obra, por isso foi tão difícil libertar os escravos e por isso a lei que punia a vadiagem, principalmente depois da abolição.

  

  “Contravenção penal consiste numa infração penal de baixa gravidade, considerada um "delito menor".
  As contravenções são menos graves que os crimes, podendo estas variar de acordo com a legislação e contexto de determinada sociedade as quais se aplicam.
  A pena para a contravenção penal varia entre a prisão simples e/ou o pagamento de multa.”

  Como grande defensor da democracia e liberdade aceito bem a vadiagem.
  Se o cidadão não quer fazer nada mesmo tendo saúde e oportunidade ... não faça nada.
  Se tem quem o sustente, sorte dele.

  Por princípio particular considero trabalhar importante.

  Em uma Sociedade tão complexa, com tantos bens e serviços, cada um deve fazer a parte que lhe cabe.
  É bom comprar pãozinho fresquinho na padaria de manhã, esse pãozinho não surge do nada, há muito trabalho e uma cadeia produtiva imensa para que isso seja possível.

  Agronegócio para o trigo.
  Industrial petrolífera para os combustíveis.
  Centrais de energia para a eletricidade.
  E muita, muita mão de obra, cada um fazendo a parte que lhe cabe.

  Sou apenas mais 1 funcionário em meio os mais de 3 mil que trabalham no HC Unicamp, não é preciso dizer da importância desse tipo de hospital.
  Faço minha parte o melhor que posso, é assim que deve ser.

  Já pensou se a maioria de nós humanos optasse por uma vida contemplativa, ficando só na ociosidade?

  Pensou na vida de índios?
  Tem certeza que índios ficavam só no ócio sem precisar se defender de outras tribos, buscar comida e água, criar e proteger os filhos?

   Não me posiciono contra a vadiagem, mas sou contra o uso indevido do espaço público ou privado.

   O cidadão usar a marquise de um estabelecimento comercial ou industrial como dormitório sou contra.
  Depredar patrimônio ou usar drogas ilícitas em espaço público sou contra.
  Emporcalhar calçadas, praças e jardins sou contra.

   Vendedores ambulantes sem licença sou contra.
   (Claro que não são vadios, apenas aproveitei essa meditação que basicamente é sobre “lei e ordem”)
 
  O vadio não quer fazer nada, não faça.
  Desde que não atrapalhe quem está trabalhando não me importo

  Para os que atrapalham defendo 48 horas de encarceramento para "pensar".

  Respeito o direito à liberdade do vadio se ele respeitar o meu direito de viver em uma cidade limpa e organizada, pago meus impostos para isso.

  “Não há excesso de liberdade se aqueles que são livres são responsáveis.
  O problema é liberdade sem responsabilidade.”
[Milton Friedman]



 .