segunda-feira, 29 de abril de 2019

Cultura Alimentar

  Os que são contra o feijão transgênico dizem que a rejeição a esse tipo de produto vai diminuir o consumo.

 Cada povo vai desenvolvendo sua cultura alimentar por diversos fatores.
  No passado remoto comia-se o que estivesse mais disponível.
  Com o desenvolvimento tecnológico nos meios de transportes (melhoria das Caravelas) ocorreu compartilhamento muito grande de alimentos.
  Sabiam que na Europa não existia batata?
  Esse alimento só chegou lá por volta de 1600 vindo dos andes chilenos.

 “Nunca houve nobreza na batata.
  Quando os espanhóis conquistaram a América Latina e levaram a iguaria ao velho mundo, direto da mesa dos Incas, seu aspecto mal formado repeliu o interesse das pessoas, que acreditavam que a aparência de uma planta era uma indicação das doenças que ela podia causar ou curar (por parecer com as mãos de um leproso, logo espalhou-se que comê-la causava lepra).
  A aceitação das batatas, importadas do novo mundo, também enfrentou o fato de que elas não estavam presentes na Bíblia, o que indiretamente atestava que talvez não houvesse propósito em enxergá-las como algo a ser digerido.
  Antes de desbravar a América Latina, os europeus também desconheciam o tomate, feijão, milho, cacau e o maracujá).

  O que faz um povo gostar mais de um alimento a ponto de torna-lo sua base alimentar?

  Esses são um daqueles processos aleatórios indecifráveis.

  

  O importante para nossa meditação é que nenhum outro país tem o habito de comer tanto feijão quanto nós brasileiros.
  Logo, a preocupação dos exportadores que o feijão transgênicos vai prejudicar o comercio exterior é algo a ser quase que desconsiderado como argumento.

  Nosso feijão não tem mercado externo porque não é habito alimentar entre outros povos.

  Sei lá, feijão é um alimento muito bom, quem sabe algum artista/filme hollywoodiano faça em algum momento o consumo do produto virar febre mundial.
  Alimentação também é modismo, não raro também nisso ocorre o efeito manada, quem não lembra da recente febre da paleta mexicana?
  Se aumentar o consumo de feijão em outros países será mais um motivo para diversificarmos a produção.
  Dá para manter lavouras orgânicas isoladas para quem estiver disposto a pagar o preço.

 Mesmo no Brasil o consumo de feijão está estável apesar do crescimento da população.
 Qual seria o motivo?
 A “meu ver” é termos mais acesso a alimentos de todo tipo.
  Sim, ainda temos milhões de pessoas com grande dificuldade para conseguir alimentação básica, mas a maioria tem uma certa fartura na mesa, a obesidade tornou-se um grande problema.

 Com maior diversificação e acesso está ocorrendo lentamente mudança de cultura alimentar.
  (Não vamos desviar o foco especulando se é para melhor ou pior; ter bastante comida é melhor que passar fome, sobre o que comer a ESCOLHA É SUA.)

  Aqui em casa raramente alguém janta ... arroz e feijão.
  Sim a comida está disponível, mas eu prefiro comer algum lanche para não ir deitar com o estômago muito cheio
  No meu almoço que ocorre por volta da 8 horas da manhã não abro mão de arroz e feijão, entretanto é pouca coisa.
  Sistematicamente 1 concha de feijão e duas de arroz.
  Me preocupo com o sobrepeso.

  Na minha infância e adolescência havia dificuldade para adquirir “mistura”.
  Carne, quando havia, era um pedacinho para cada um.
  Um ovo frito era dividido em dois...

  Lembrei agora, fui receber aquela vacina contra gripe recentemente, o atendente perguntou se eu tinha alergia a ovo.
  Pensei e ri, “pobre com alergia a ovo não passa da primeira infância meu senhor”. 😄
  Hoje eu faço omelete com três ovos e se me der na telha coloco pedaços de mortadela.
  Mexe com quem é rico ... 😄

  Enfim, se não tem mistura ou ela é bem pouca o jeito é reforçar no arroz e feijão, “saco vazio não para em pé”.

  Minhas filhas almoçam por volta das 12 horas, não dispensam arroz, mas quase nunca comem feijão.
  Minha esposa trabalha a noite consome feijão na empresa, em casa é salada e frutas. (a preocupação com sobrepeso)
  Paralelo a isso tem as bugigangas, pizza, batata, lasanha de micro ondas, pão com embutidos, sorvete ... coisas que dão muito prazer em comer mesmo não sendo muito nutritivas...
  E aqui chegamos onde eu queria.
  Todos sabemos que coisas como bacon, bolachas, frituras, salgadinhos, doces ... não são muito recomendados por nutricionistas.
  Mesmo assim em nome do prazer e praticidade comemos, assumimos o risco.
  Racionalizamos em geral o seguinte:

  Todos vamos morrer mesmo, viver sem comer o que gostamos torna a vida desagradável.

  A boa pergunta é:

  Porque essa antipatia tão grande pelos transgênicos!?

  Quem me explica?

  Abusa do sal, massa, álcool, fritura, gordura ... quando chega no alimento transgênico fica com “anus açucarado” 😄

Ah para ô!




.


.




sábado, 27 de abril de 2019

Feijão Transgênico

  “Há 20 anos o Brasil cultiva organismos geneticamente modificados.
  Vice-líder mundial em área plantada, com 50,2 milhões de hectares, somos suplantados apenas pelos EUA, com 75 milhões de hectares.”

  Noto que as pessoas demonizam o Capitalismo (Liberalismo Econômico) por pura falta de conhecimento.
  Devido uma hegemonia Socialista em nossa cultura, quando o indivíduo busca conhecimento sobre isso recebe informações contaminadas por ideologias.
 Acredito que através de exemplos corriqueiros dá para desmistificar muita coisa.

  Porque o feijão frequentemente tem grande alta de preço?

  É uma planta sensível a variações climáticas.
  Se em geral nas áreas de cultivo as condições ambientais permanecem aceitáveis ocorre uma grande safra nacional e o preço do feijão fica baixo.
  Vou apresentar números apenas para facilitar o entendimento.

    Você plantou para conseguir 100 sacas, conseguiu 90.
  (Alguma perda sempre acontece)
    Gastou com “defensivos” (agrotóxicos) e outros insumos o que estava planejado.
    Foram produzido no Brasil 3 milhões de toneladas bem perto da nossa capacidade de consumo.

   Essa seria uma situação ideal de Mercado.
   Não haveria falta do produto nem grande sobra.
   Você consumidor pagaria um preço acessível.
   O produtor receberia um valor que compensasse dignamente todo seu trabalho.

  Entenda que qualquer alteração significativa nesse “ecossistema” na cadeia de produção e comercialização tem algum efeito.

  Exemplo:
  Tudo correu tão bem na cadeia produtiva que foram disponibilizadas 3 milhões e 500 mil sacas.
  Essa sobra de feijão força os preços para baixo.
  É um produto perecível, se o produtor não consegue vender tem que jogar fora.
  Isso é bom pra você lá no supermercado, mas é ruim para o produtor.
 
  Por outro lado, se são produzidas 2 milhões e 500 mil sacas o preço sobe.
  É ruim para você e ... nem sempre é bom para o produtor.
  O produtor que não teve problemas na sua lavoura, vai se dar muito bem.
  Mas se houve uma quebra de safra tão grande muitos produtores tiveram problemas e para esses surge o pior dos cenários.
  Mesmo o preço mais alto não é suficiente para cobrir tudo que foi gasto para produzir, o resultado são prejuízos imensos e endividamento.

  O feijão transgênico desenvolvido pela Embrapa é resistente a praga mosaico dourado.

  Essa praga acaba com 40% a 60% da produção.
  Imagine, você planta e gasta para colher 100 sacas e só consegue 60 ou menos.

  A palavra transgênico é outra demonizada na nossa cultura.

  Porém, até agora o custo benefício dessa tecnologia tem sido extremamente favorável a humanidade.
  O medo do uso de transgênicos tem se mostrado injustificável, é mais uma paranoia espalhada por alguns grupos e que infelizmente afeta boa parte da humanidade.
  Estamos vendo algo semelhante com o movimento antivacinas.

  Se eu encontrar no supermercado feijão transgênico compro o produto sem receio algum.
  Se isso tornar o preço mais estável, bom para produtores e consumidores ... que maravilha irmão! 😊

  O grupo que mais está reclamando e atacando o projeto são os exportadores.
  Acontece que nossas exportações correspondem apenas a 5%.
  Pense bem, que lógica tem prejudicar 95% do mercado por causa da choradeira de 5%?
  Devemos respeitar as minorias e atender suas reivindicações na medida do possível.
  Agradar 100% a todos é impossível.
  Deixar que a vontade da minoria se sobreponha a da maioria é ... extremamente ilógico em uma Democracia.


  A Embrapa é estatal, um projeto dessa envergadura não sai barato.
  Pense no tanto de dinheiro dos impostos que já foram gastos. 
  Vamos simplesmente arquivar mesmo com os resultados sendo satisfatórios!?

  Sobre a baixa do consumo veremos na próxima meditação....

  I’ll be back...
 
   
.


.




 
 

sábado, 13 de abril de 2019

Mimimi Profissional

   Quem estuda para ser enfermeiro, policial, soldado, médico, padre, pastor, cabeleireiro ... tem uma boa ideia das características de cada profissão.
  Se fez o curso de bobo alegre ... não vem dar uma de esperto querendo aposentadoria melhor que todo mundo.



  Poucas pessoas trabalham por prazer e mesmo para elas tem o lado chato da coisa.
  Pense naquele ator de teatro que já tem uma vida estável.
  Me veio à cabeça Antônio Fagundes.
  De certo ele atua por prazer, mas tem os custos das peças, se não se preocupar com algum retorno financeiro pode ir a falência rapidamente.
  Decorar textos é trabalhoso, em geral ele é um dos personagens principais o que significa muita atuação e também muitas falas.
  Como qualquer ser humano, Antônio Fagundes tem seus problemas pessoais e físicos, não é sempre que está disposto a atuar, mas tem o contrato, tem quem pagou o ingresso.

  Eu trabalho por necessidade.
  Quando aceitei o atual emprego foi me orientado o que deveria fazer.
  Passei por longo probatório, conheci bem o serviço.
  Era e sou livre para sair a qualquer momento.
  Desde o início soube que não teria necessariamente Sábados, Domingos e feriados livres, tudo dependeria da escala.
  Atendo centenas de pessoas, falo centenas de vezes a mesma coisa.
  Lidar com público não é fácil, já tive discussões feias, já fui ameaçado de morte.
  Por vezes a pessoa se revolta com alguma demora e quem tem que dar conta sou eu que humildemente estou fazendo a parte que me cabe...

  Meu trabalho não é tão “importante” quanto o de um médico, mas também não ganho tão bem quanto um médico, nem estudei tanto quanto esse profissional.
  O trabalho de médico é melzinho na chupeta?
  No geralzão ele tem os mesmos problemas que eu.
  Repete palavras e procedimentos a exaustão, atende várias pessoas, lida com o público ... o diferencial é que sua responsabilidade é bem maior, dependendo do que ele faz pode significar a vida ou morte, mas ....

  Já pensou que o mesmo podemos falar do mecânico de automóveis?
  Um procedimento errado no conserto do automóvel pode resultar em grande acidente, tirar vidas.
  Os carros modernos evoluíram bastante, mas quem faz curso de mecânica sabe que vai lidar com graxa e óleo, assim como o enfermeiro vai lidar com vômitos e sangue.
 
  Sem mais preparação...

  Estou cansado do mimimi de tantos profissionais.

  O militar se acha um profissional diferenciado e por isso merece melhores benefícios previdenciários e muita ajuda de custo além do salário.
  O agricultor, enfermeiro, professor, juiz, promotor, político, policial, vigilante... o mesmo mimimi.
  Os políticos conseguem se dar benefícios e vemos que é um poço sem fundo.

  Defendo que não devemos mais dar ouvidos a tanto VITIMISMO.

  O que regula os salários são a oferta, demanda e competência profissional de cada um.
 (Nessa meditação vamos ignorar a sorte)

  A previdência deve ser igual para todos de acordo com a contribuição feita.
 
  Pensão por doença ou invalidez deve seguir as mesmas regras gerais para todos que ficam doentes ou inválidos, é o óbvio.
  Um indivíduo é gerente de uma confecção, ganha 10 mil, entenda que a empresa paga esse salário a ele em contrapartida a um trabalho prestado.
  O cidadão sofre acidente de moto fica invalido.
  É uma enorme infelicidade, mas a empresa vai continuar pagando sem receber a contrapartida produtiva?
  Nós enquanto Governo/Sociedade vamos manter os 10 mil de pensão em nome de que?
  Precisamos ficar mais realistas, por vezes coisas ruins acontecem e nossa vida muda para pior.
    



  Não sei de onde vem a ideia que governos e empresas “tem obrigação” de manter o padrão de vida das pessoas mesmo quando elas deixam de ser produtivas.
 (Não estou falando de situações onde cabe indenizações)

  Lembram do tenista Guga?
  Ganhou competições e dinheiro jogando tênis.
  Infelizmente sofreu grave lesão e teve que interromper a carreira mais cedo.
  É lamentável, mas o atleta deixou de ser altamente produtivo na profissão que escolheu.
  Alguma empresa ou governo tem a obrigação de garantir a Guga os mesmos rendimentos com base em que!?
  De onde vai sair o dinheiro?

  Vamos supor que Guga ficasse invalido para qualquer tipo de trabalho e de acordo com suas contribuições previdenciárias sua pensão seria de 3 mil por mês.
  Defendo que é isso mesmo que deve receber.
  Se ele nos tempos de gloria fez boa poupança, parabéns pra ele, foi ajuizado.
  Se não fez ... seja bem vindo de volta a pobreza ... tamo junto. 😄

  Defendo que nós enquanto sociedade tenhamos uma “rede de proteção” para os menos adaptados ou “azarados”.
  Em nome da fraternidade/solidariedade.
 
  Para evitar a miséria haverá outros tipos de auxílios com as mesmas regras para todos que estiverem na miséria, óbvio.
  Sem o Estado gastar mais do que arrecada.
  Bolsa Família por exemplo ou pensão por idade para idosos necessitados, mesmo que não tenham contribuído.
  Combate a fraudes deve ser intenso e constante.

  Fechando essa meditação.

  Entenda que se você é policial, enfermeiro, professor ... NÃO FOI OBRIGADO A ISSO.
  Se não aguenta pede pra sair, aliás não deveria nem ter entrado.

  Todo profissional deve lutar por boas condições de trabalho, cada um deve buscar o melhor para si.
  Mas vamos parar com essa coisa de:

  😭 “Ninguém sofre mais do que eu, por isso tenho que me aposentar mais cedo e com benefícios mais altos.”

  Se não está satisfeito com sua profissão mude para outra.
  Quer melhorar as condições atuais de trabalho, é aceitável, sempre buscamos alguma melhora, assim evoluímos.
  Ficar com essa choradeira querendo aposentadoria especial porque “você acha” sua categoria profissional é melhor ou sofre mais que todas as outras ...

  “Não me faça pegar nojo!”

 (Antigo bordão de um programa humorístico que vem bem a calhar - YouTube)
 

.



.



sexta-feira, 12 de abril de 2019

Enfermagem

😭“TRABALHAMOS MUITOS PLANTÕES QUE CHEGAM A 24 E ATÉ 36 HORAS ININTERRUPTAS.”
[Post com foto de enfermeira no Face]

  Todos enfermeiros trabalham dessa forma ilegal!?
  Se sim, no meu entender é isso que deve ser corrigido.

  Trabalho em um hospital, NÃO VEJO ESSA OCORRÊNCIA.
  As vezes ocorre um imprevisto, falta algum funcionário e o outro se vê meio que obrigado a dobrar, mas depois tem compensação financeira ou banco de horas.
  Como sou funcionário público talvez minha realidade seja diferente.
  Porém, minha esposa trabalhou anos na EMS como técnica de enfermagem, já ocorreu dela se atrasar, não dá para parar um atendimento de urgência apenas porque deu o fim do expediente.
  Mas são ocorrências raras que acontecem em inúmeras profissões.
  Já trabalhei de segurança, não podia abandonar o posto enquanto não chegasse rendição.
  Algumas vezes ocorreu algum conflito sério, não dava para simplesmente ir embora.
  Fui encarregado por anos em uma fábrica de óculos, maquinas que quebram, acidentes de trabalho, reuniões que demoram mais que o previsto...
 
  Se alguma empresa está obrigando enfermeiras a trabalharem 24 horas ininterruptas sem isso estar previsto em contrato e sem nenhum tipo de compensação ... deve ser fechada.
 Se for 36 horas o proprietário deve ser preso.

 Enfermeiros pagam caro pela instituição COREN, o que está fazendo esse pessoal que permite uma coisa dessas!?

  A meu ver o maior problema é individual.
  Não entendo uma pessoa contratada para trabalhar 40 horas semanais; trabalhar 80 horas, 100 horas sem nenhum tipo de compensação.
  A enfermeira trabalha 3 turnos, ganha por 1 e tudo bem!!
  Dessa maneira ela super favorece o patrão e depois quer descontar na Previdência!!!
  (Desculpem o excesso de exclamação é que certos assuntos são papo de doido.)

  Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

  Sem contar que não sei que tipo de bom atendimento pode dar uma pessoa depois de 12 horas ininterruptas de trabalho, imagine 24 ou 36, isso em qualquer área.

  No exército eu ficava a semana inteira no quartel, mas não em “atividade ininterrupta”.
  Vamos supor que eu estivesse montando guarda no QG da Companhia de Comando.
  Era uma equipe de 6 soldados para cobrir dois postos.
  A cada 2 horas 2 soldados assumiam os postos, os outros 4 ficavam no que chamamos de corpo da guarda.
  Nas 4 horas que eu estava fora do posto/ronda ficava em estado de prontidão.
  Podia ler, ouvir música, até dormir ou dar um cochilo desde que permanecesse fardado e armado ... de prontidão.

  O exército foi um serviço militar obrigatório.
  Fui colocado nessa situação, não tive muita escolha.
  Houve a convocação, caso não comparecesse as consequenciais na minha vida seriam bem piores.
  Não é o caso de quando você faz um curso técnico.

  Quem estuda para ser enfermeiro, policial, soldado, médico, padre, pastor, cabeleireiro ... tem uma boa ideia das características de cada profissão.

  Se fez o curso de bobo alegre ... não vem dar uma de esperto querendo aposentadoria melhor que todo mundo.

  Meditaremos sobre isso no próximo texto...

  



Post completo e algumas observações minhas:

  "Andam dizendo por aí que nós os profissionais de Enfermagem somos contra a Reforma da Previdência porque perderemos a "mamata" de aposentar com 25 anos de contribuição.

  (A Aposentadoria especial para enfermeiros, bem como dos técnicos e auxiliares de enfermagem e o pessoal de apoio da área da saúde que tem contato habitual com os pacientes de hospitais, é com 25 anos de serviço.
   Com qualquer idade e sem a redução que as outras aposentadorias sofrem com o fator previdenciário.
  É uma senhora mamata, dizem que é porque estão mais expostos a doenças.
  Não conheço nenhum estudo comprovando que o pessoal da saúde fica mais doente que o restante da população.
  O que vejo é quase o contrário, por estar nesse meio tem mais acesso a imunizações e atendimento.
  Ontem (11/04/19) recebi vacina contra gripe gratuitamente no meu local de trabalho só por fazer parte da área da saúde.)

  Você tem ideia da dor que eu carrego ou até mesmo as memórias que me assombram???
Trabalhamos muitos plantões que chegam a 24 e até 36 horas ininterruptos.

  (Foi contratado para trabalhar 40 horas; trabalha 80 horas, 100 horas sem nenhuma compensação!?
    Denuncie ao COREN, essa ocorrência é ilegal em qualquer profissão)

No seu trabalho, você já teve que dizer a uma senhora que seu marido está morto? Ou a uma MÃE que seu FILHO morreu?
Querendo que soubessem que você e sua equipe fizeram tudo que era possível?
Já teve que fazer medicação em um paciente com câncer terminal, sabendo da gravidade daquilo tudo e tendo que sorrir para disfarçar as emoções e não deixar o paciente ainda mais deprimido...
Já imaginou sentar-se para comer, usando as mesmas mãos e a mesma roupa que há instantes atrás segurou um bebê morto? tentando tudo ao seu alcance para trazê-lo de volta?
Já teve que pegar uma veia sobre pressão: - "ou vc pega a veia ou o paciente morre", isto lembrando que alguns pacientes são os famosos ruins de veia;

  (Caraca mano, pede para sair, não deveria nem ter entrado, pensou que enfermagem era só ser balconista de hospital 5 estrelas!!)

*Nós não temos Natal em família, não temos feriado, muito menos Ano Novo, quando enfim estamos de folga, de repente o telefone toca e temos que ir para o plantão pois aconteceu algo com nosso colega e não podemos deixar que você e sua família fiquem sem assistência*

  (Inúmeras atividades profissionais trabalham em esquema de plantão, todos terão aposentadoria especial?)

 Então da próxima vez que você pensar em olhar para mim ou meus colegas da enfermagem, não nos julgue.
Se o meu sorriso fosse capaz de mostrar o fundo da minha alma, muitas pessoas ao me verem sorrir chorariam comigo, então só me façam um favor:
Não nos julgue porque ninguém pode imaginar o que se passa durante um plantão, agora tente imaginar em 25 anos de plantões! 😥
Respeite deixamos nossa família para cuidar da sua.

[Queria levar a família para o trabalho!?)

  Respeite também somos seres humanos e trabalhamos doentes tantas e tantas vezes.

(Profissionais da área da saúde tem direito a atestados médicos tanto quanto qualquer outro profissional, se a empresa que você trabalha, seja estatal ou particular, não está aceitando um atestado legalmente emitido é mais uma caso grave de denúncia.)