sábado, 5 de dezembro de 2015

Au, au, au.

  “Então, a emoção humana seria a mesma coisa que a dos irracionais?  [Comentarista no G+]

  Eu observo que os “irracionais” também tem emoções.

  Se emoções vem do cérebro ou do espirito não tenho dados suficientes para afirmar.
  Se animais tem algum tipo de espirito não tenho dados suficientes para afirmar.

  Teve uma cadela na minha infância a qual eu percebia muitos sentimentos.
  Ela apareceu fraca e faminta na calçada da casa da minha vó Tidi que a alimentou.
  Daí como sempre acontece a cachorrinha não saía mais dali.
  Minha prima Érica começou a falar tu fica ou tu vai.
  E o “Tufica” venceu virando o nome da cachorrinha.
  Eu sentia quando ela estava triste ou alegre.
  Sabe aqueles filmes fantasiosos onde a mente de um humano é transferida para um animal?
  A Tufica parecia ter consciência da sua condição de cão, cheguei a comentar com minha mãe que a Tufica queria ser humana, invejava nossa condição.
  É, minha mãe ficou preocupada com minha sanidade mental, ainda mais porque há casos de loucura na família do meu pai.

  Não sei explicar como cheguei a dedução que Tufica queria muito ser mãe.

 Só sei que eu sentia que ela queria muito ter um filhote, não conseguia e isso a deixava triste.
  Certa vez ela engravidou e o filhote morreu depois de algumas horas, vixe, quanta dor eu pude sentir naquele ser.
  A cena mais dolorosa ainda estava por vir.
  Seu filhote havia morrido, mas ela não aceitava.
  Minha vó Tidi se aproximava para pegar o filhote e a Tufica não deixava.
  Depois, como ela estava exausta, acabou dormindo e minha vó fez o que tinha que fazer.
 Tufica ficou deprimida por dias.
  Aqui escrevendo é como se pudesse ouvir seus uivos de dor ecoando em minha mente.
  Mas essa história tem um final feliz.
  Depois de um tempo ela voltou a engravidar e dessa vez nasceu o Dólar, um belo cãozinho que nos fez companhia por anos.
  Tufica ficou muito feliz e eu fiquei feliz por ela ter realizado seu sonho de ser mãe.
  Ela conviveu com o dólar por 2 ou 3 anos e acredito que valeu a pena.

  Há quem diga que animais tem um tipo de “sopro” [Energia Vital] diferente dos humanos.
  O sopro só permanece neles enquanto há condição biológica.
  Claro que isso é uma crença, um ato de Fé.
  Se o sopro se extingue com o cérebro como podemos dizer que esse sopro algum dia existiu?
  Se esse tal sopro se extingue em “animais” e nós somos animais...

  Eu não sou espiritualista baseado em crendices o que me intriga é a subversão da lógica.

  Como dizia meu xará:
  "Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia dos homens possa imaginar" [William Shakespeare]



  Estudo Bíblico:

  “Deus prova os homens, para que assim possam ver que são em si mesmos como os animais.
  Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego.
  A vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.
  Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó.
  Quem sabe que o fôlego do homem vai para cima, e que o fôlego dos animais vai para baixo da terra?
  Assim que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?” [Eclesiastes 3:18-22]

  Essa passagem bíblica eu acho legal porque ela não nos ameaça com a possibilidade de um inferno.
  Ela sugere que as almas “boas” (segundo um critério misterioso de Deus) terão uma sobre vida.
  As que não forem tão boas (dignas) voltarão ao pó.
  Voltar ao pó sem ter mais consciência de nada é como deixar de existir.

  Muito mais sensato que ficar ardendo eternamente no fogo do inferno porque aos olhos de Deus, apesar do meu precioso cérebro, eu não consegui ser melhor que um cachorro... au, au, au.



Anterior          <>        Próximo 

Postar um comentário