terça-feira, 17 de junho de 2014

Nenês são Barraqueiros

“O fanatismo é a única forma de vontade que pode ser incutida nos fracos e nos tímidos.”  [Friedrich Nietzsche]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
  Os nenês não tem outra opção que não seja gritar e espernear para serem atendidos então todo nenêzinho já nasce rodando a baiana…HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!


  Certa vez estava em uma pizzaria, minha filha tinha uns 4 anos e começou seu barraquinho infantil, como ela não atendeu aos meu pedidos que se comportasse direito não pensei duas vezes, encomendei a pizza para viagem e fomos comer em casa.
  Episódios assim ocorreram várias vezes até que minhas filhas entenderam que fazendo barraco comigo não conseguem nada, até perdem.
  Elas rapidamente aprenderam usar o banheiro para fazer suas necessidades [acho incrível crianças de 2 anos que ainda usam fraldas] e da mesma forma aprenderam que eu prêmio o bom comportamento e penalizo o mau comportamento.
  Se elas quiserem ser barraqueiras que sejam na sociedade lá fora que é TOLERANTE com este tipo de comportamento, aqui no Brasil não tenho como aconselhar elas não serem barraqueiras…[leia o texto anterior]
ºººººººººººººººººººººººººººººººººº
  A grande arma dos barraqueiros é a timidez das pessoas.
  A pessoa até gosta quando todos os olhares se voltam para ela quando é de admiração, de aprovação.
  Na dúvida o indivíduo prefere não se arriscar, não se expor.

  E qual a primeira ação de um barraqueiro?
  Oras, justamente provocar uma exposição e isso já desestrutura grande parte dos indivíduos que tem MEDO dessa situação.

  É bem difícil você ser um bom Filosofo e não dominar a arte da manipulação.
  Estudar a fundo Filosofia não o tornará necessariamente um bom manipulador, pois para isso também é necessário ser um bom ator o que já é um dom de nascença.

  Conhecer bem as artimanhas da manipulação evitará que você seja facilmente manipulado.

  Veja um exemplo: No caso das barraqueiras eu sei que sua primeira estratégia vai ser chamar a atenção, me expor.
  Uma vítima pouco habilidosa nessa situação a primeira coisa que irá fazer é olhar em volta para verificar quantos olhares já estão em sua direção e quanto mais olhares mais ela se intimida, mais vira uma presa fácil para a barraqueira.

  Há muito tempo perdi o medo de me expor, pois sei que alimentando esse medo fico muito suscetível de ser manipulado então se a barraqueira acelera eu acelero junto.
  Não olho para os lados, não me importo com quem esteja me olhando, mantenho o foco no centro do problema que originou a discussão, o único olhar que me interessa é o da barraqueira.
  Uso a tática do “espelho”, se a pessoa grita eu grito, se faz careta eu faço, se começa rir com desdém eu vou nessa, se ela encostar a mão em mim, me autoriza a fazer isso também…
  A pessoa vem encostar em você dê um tapa na mão dela, fica como um ato de defesa e não agressão.
  Mantenho o foco, não ligo para a platéia que quer ver um bom espetáculo então irá ver, não sou eu que irei decepcionar o público.

  Atenção para um detalhe, o mais importante de manter o foco é dar rapidamente razão ao indivíduo no que ele a princípio estiver correto em sua solicitação, mas não ceda um milímetro no que ele estiver errado, evite a todo custo lhe dar qualquer vantagem indevida.

  A “massa” tem certos comportamentos meio que padronizados, ela é solidaria por exemplo a quem sofre uma agressão verbal e revida, como sempre é a barraqueira que inicia a agressão então conseguimos manter uma vantagem estratégica que só será perdida se não dermos razão ao que obviamente a barraqueira tem razão, por isso é importante respirar fundo e manter o foco da discussão.

  Então não tenha medo de se expor ou pelo menos treine para disfarçar muito bem esse medo, apague de sua mente os olhares da platéia olhe nos olhos da barraqueira, faça seu show para ela.
  Acelere com ela no mesmo ritmo, não perca o foco da discussão.
  Existem mais umas dicas muito importantes, mas não me sinto a vontade para expô-las acredito que o que eu escrevi é suficiente o resto é treino, respirar fundo e agir.
  Tem certos “pulo do gato” que eu egoisticamente não espalho por aí, são meus ás na manga.
  Afinal, não gosto de perder meu tempo com barraqueiros, gosto de deixá-los fora de combate e respeitando as regras o mais rápido possível.
  Não sou o tipo de pessoa que um barraqueiro goste de encontrar pelo caminho, quero que continue assim…                       




Anterior          <>        Próximo
Postar um comentário