segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Qual o seu Tipo?

    “Vasculhando as trilhas deixadas pelo sentimento de amor fui até onde tudo começou, a primeiríssima vez que fui atingido por esse sentimento e surpresa…ELE NÃO ESTAVA LÁ!” 
  



  Claro que naquele momento era uma paixão desmedida, um amor avassalador, entretanto um questionamento interessante surgiu durante a meditação:

  Se eu não achasse aquela garota tão bonita aquele desejo de proximidade ainda existiria?

  Ela era uma garota comum o que me fascinava era sua beleza e essa está ligada ao gosto particular de cada um.
  Algo muito bonito para uma pessoa pode ser feio para outra.
  Os quadros de Romero Brito encantam a muitos, para eu são infantis, não é algo que colocaria na parede da minha casa.

  A beleza tem essa variável intangível.
  Não escolhemos o que sentir, não escolhemos do que gostar, simplesmente sentimos, simplesmente gostamos.

  Com o passar dos anos notei que as mulheres que mais me atraiam tinham aquele biótipo da primeira.
  O “freudianismo” sugeria que eu não tinha esquecido meu “grande primeiro e único amor” e buscava em outras mulheres o “encantamento” da primeira?

  Mas espera aí!

  E se eu tinha prazer/gostava de um certo biótipo?

  Claro que tinha que ter uma primeira vez, logo se eu morasse em Miami, Recife, Fortaleza, Berna também encontraria meu “primeiro amor”, seria OUTRA PESSOA, mas o mesmo BIÓTIPO!

  Eureka!

  A admiração do que eu acho BELO é anterior ao sentimento de AMOR.

  O “primeiro amor”, na maioria das vezes, é encontrarmos o biótipo que nos dá prazer, nosso encontro com o que achamos bonito.

  Está complicado?

  Pense que você desistiu de encontrar um novo amor porque acreditava que ele estava exclusivamente em uma pessoa, mas e se percebesse que ele estava em um biótipo?
  Ora, se um biótipo não me quer, há inúmeros biótipos que ainda posso tentar e podem me querer.
  Sim, estamos diante de uma Filosofia Complexa.

 Se meu amor é preso a uma pessoa e ela não me quer sou subtraído na minha capacidade de voltar a amar outra.
  No entanto se meu amor é por um “tipo” de pessoa... há vários pessoas que podem me satisfazer.
  Se eu gosto de mulheres intelectuais, há várias mulheres desse tipo, se não deu certo com uma pode dar certo com outra.
  Se gosto de mulheres peitudas, há muitas mulheres peitudas se não dá certo com uma pode dar certo com outra.
  Se sou masoquista há muitas mulheres sádicas, se não deu certo com uma pode dar certo com outra...


  To be continued...




anterior                       <>                                próximo

Postar um comentário