sábado, 9 de fevereiro de 2013

Inventor de Mundos

   “O homem procura um princípio (uma ideologia) em nome do qual possa desprezar o homem (que não pensa igual ele).

  Inventa outro mundo para poder caluniar e sujar este; de fato só capta o nada e faz desse nada um Deus, uma verdade, chamados a julgar e condenar está existência.”
 [Friedrich Nietzsche]





O homem procura uma ideologia em nome da qual possa desprezar quem não pensa igual ele.

  Se o indivíduo se encontra “fanatizado” no ateísmo despreza quem se diz espiritualista.

  Se o indivíduo se encontra “fanatizado” em alguma religião despreza quem se diz ateu ou de outra religião.

  Se o indivíduo se encontra fanatizado pela ausência total de Estado, despreza quem quer grande intervenção do Estado.


Inventa outro mundo para poder caluniar e sujar este; de fato só capta o nada e faz desse nada um ideal.

  O MUNDO IDEAL DOS ATEUS É UM MUNDO SEM RELIGIÃO.

  No século passado surgiram vários Estados Ateus com resultados decepcionantes.
  Apesar do “empirismo” ateus fanáticos desprezam os resultados observados.

 “Para a ciência, empírico é um tipo de evidência inicial para comprovar alguns métodos científicos, o primeiro passo é a observação, para então fazer uma pesquisa, que é o método científico.
  Nas ciências, muitas pesquisas são realizadas inicialmente através da observação e da experiência.”
[Significados]
 
  O MUNDO IDEAL DOS RELIGIOSOS É ... OUTRO MUNDO 😆 

  O engraçado é que nem o crente mais fervoroso quer ir para esse mundo maravilhoso.
  Essa frase cristã sintetiza tudo:

  “Todo mundo quer ir para Jesus, mas ninguém quer morrer.”

  O religioso passa mais tempo na igreja e/ou decorando seu livro sagrado que debatendo política.
  Despreza debater as soluções para esse mundo.
  Fica se preparando para um outro mundo o qual ele não tem certeza se existe.
  Sua tristeza pela morte de pessoas próximas e seu próprio medo da morte deixa claro “empiricamente” sua incerteza.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Gosto da humanidade, por isso a defendo tanto sem ficar cego para seus defeitos, afinal não sou “apaixonado” pela humanidade, apenas gosto.

  
  Penso em outro mundo, mas tenho consciência que vivo nesse, então busco torna-lo o melhor possível, mais eficiente.

  Sempre encontro pensadores que pregam “acabar com tudo isso que está aí”.
  O Estado e um grande Líder tomarão conta de todos nós, nos dirá o que fazer e viveremos um paraíso Socialista na Terra.

  Sempre encontro com pensadores que idealizam um mundo maravilhoso pós morte para “seus” correligionários.
  Os que discordam irão para um inferno ou serão aniquilados.

   Esses e pensadores inventam um outro mundo para desprezar esse.

  Se vestem de glórias para desprezar outro homem.

  Por isso assumo meus fracassos, não posso tudo, aliás posso bem pouco.
  Assumo minha ignorância, tantas coisas que não entendo.

  Gostaria de inventar um mundo maravilhoso aqui na Terra.
  Gostaria de inventar um mundo maravilhoso para ir depois de minha morte.
  Gostaria de ter respostas para tudo e me vestir de glórias.

  Entretanto só sei que pouco sei e me sentiria ainda mais ignorante inventando mundos.
  Afinal não sou um deus, nem ao menos um grande líder.

Eu sou apenas um rapaz
Latino-Americano
Sem dinheiro no banco
Sem parentes importantes
E vindo do interior


  Tenho que conviver com isso.
  Essa é a realidade empiricamente observável.

  Não invento a realidade apenas a observo.



anterior                       <>                                próximo



---------





8 comentários:

Daniel disse...

Gostei da cara desse blog.

Já viemos com uma bagagem herdada.
Dificilmente eu poderia criar a imagem de um mundo só meu que não tivesse interferência de outros pensadores antes de mim.
Mas parece que falta genialidade, e ha um desafio para que se faça isso.
É importante dar nomes aos bois, e deve ser dado um nome que eu conheço.
Esse é um caminho perigoso no qual eu poderia muito facilmente ficar preso a um paradoxo por anos.
Mas existe a possibilidade de ao final eu estar satisfeito com a minha descoberta de mundo, e até achar necessário morrer por um ideal que eu acredito.
Não existem verdades para todo mundo, existem minhas verdades, e elas são totalmente críveis sob qualquer ponto de vista aplicável à minha ideologia de vida e de mundo. Eu me convenço diariamente de que o que eu acredito está certo, e prejudico a outro quando quero fazer que algo que eu entendo como verdade é uma incontestável verdade na vida de outro. Demora-se anos até essa analise ser feita.

Terapia da Lógica disse...


“Dificilmente eu poderia criar a imagem de um mundo só meu que não tivesse interferência de outros pensadores antes de mim.” [Daniel]
ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
Muito bom!

Nós vamos ajustando nossa freqüência com “espíritos” a fim.

Americanos constróem uma Nova Iorque.

Cariocas um Rio de Janeiro.

Iranianos uma Teocracia.

“Na casa de Meu Pai há Muitas Moradas”

Talvez estamos construindo onde iremos morar e com que tipo de espíritos iremos conviver.

Começamos essa sintonia aqui escolhendo tanto quanto possível as pessoas que nos relacionamos e as idéias que defendemos para nossa cidade, estado, país...

Nihil Metilene disse...

Boa madrugada a vcs.(hahaha...)

Esse foi o texto do sr.William que mais me comoveu,até hoje.
(no dia em que o li,estremeci)

Se eu já não tivesse "cometido o engano" de me tornar religiosa,eu estaria numa fase materialista.
Mas,quando começamos a trilhar um caminho assim,não há como retroceder,porque a religião provoca uma certa mudança psíquica.
Eventualmente,concordo que hoje em dia,é preciso lidar com as questões concretas com concentração,pois o mundo oferece um cardápio de problemas variados.
Às vezes,parece que "não saímos do lugar".

Conheço o bairro onde moro,desde muitos anos antes de morar aqui.
As pessoas locais são bastante esnobes,mesmo sem ter condições financeiras que justifiquem tal atitude,mas me surpreendi,ao começar a morar aqui,e saber que esse nem é o melhor local da cidade para viver.
Carecemos de "coisas básicas".
Se chove,ficamos uma hora esperando para poder atravessar a rua.
O povo de uma determinada avenida,incluindo lojistas e outros negociadores,assina a Net,com antecipação,pois o Speedy por lá,funciona dois dias e para por um.
É o tipo do lugar em que restaurante fecha para almoço...(fiuuuu...)

Teve um final de ano em que um bêbado atropelou um poste(pasmem!) e ficamos sem energia,por seis horas,devido ao imenso poder de uma única pessoa embriagada.
Precisei ter autonomia virtual,para escapar aos muitos problemas do Speedy.
Onde morei antes,é um bairro com um número bem maior de pobres,entretanto a balada de lá,era obrigada a respeitar a lei do silêncio,e a respeitava,após as onze horas da noite.
Aqui isso não acontece,e o pessoal que mora perto da mesma,não faz nada a respeito.
A mim não incomoda,pois estou mais distante,mas fico pensando na situação dos que moram perto.
Horas atrás,voltei do templo budista, e tive o cuidado de tentar passar por ruas iluminadas para voltar para casa,pois estou cansada de tropeçar em certas ruas que estão às escuras.(tem muitas assim,por essas bandas)
Para a minha surpresa,toda a região estava sem luz,mas eu vi uns carros da Eletropaulo tentando consertar o problema.
Ao chegar aqui,soube que a força havia acabado às catorze horas,porque a chuva derrubou uma árvore,que levou junto,uma fiação da rua.
Tudo bem,isso pode acontecer,mas a consequência durou oito horas.(podia ter durado umas três)
O Brasil é um país com alguma reserva de riqueza,e com um bom PIB.
Entretanto,a maioria ainda ganha três salários mínimos por mês,e depende de serviços ineficientes,mesmo quando pagos.
Não nos unimos em torno de quase causa nenhuma,somos despolitizados,e nos conformamos com toda tranqueira que a política nos oferece.
Preferimos nos voltarmos uns contra os outros.
Quando sabemos que a população de um bairro,se juntou numa manifestação qualquer para "pedir isso ou aquilo" às autoridades,é porque os problemas que ela teve,passou dos limites.
E histrionicamente,costumamos nos achar o máximo.
Acreditamos ser os "escolhidos de Deus" e ainda ficamos nos sentindo belos.
O espelho ri tanto da nossa obesidade,o tempo ri da falta de chance de malharmos numa academia.
Não adiantam boas roupas,unhas e cabelos bem tratados,quando o principal,que é o corpo,não tem mais como voltar ao normal,e quando o apetite não tem como diminuir.

Deus olha para nós,e diz assim,

_Olha,meus filhos,vcs para serem meus empregados,precisam melhorar muito.
Mas,vcs se sentem "os sortudos" da hora.
Quem sabe,quando vcs se conscientizarem da própria "pequenez" farão em conjunto,algo a respeito.
Pois eu lhes dei alguns recursos para isso...

Ora,me desculpem.
Devo estar num surto de intolerância.(kkkkk...)
Acho que é a idade.
Mas,é brincando brincando,que dizemos as verdades.

Nihil Metilene disse...

Melhorando o senso de humor,

Deus disse a nós brasileiros,

"_Vcs se julgam "meus filhos",mas mesmo para serem apenas meus serviçais,precisarão melhorar muito.
Para vcs,"alguma água irá rolar por debaixo da ponte,ainda."

Ah,meu Deusinho florido...

Daniel disse...

Surto de intolerância?! rs

Muito bom Nihil!

Terapia da Lógica Filosofia disse...

Caraca! Esse texto lembrou tanto o estilo do Frank.
Tive que olhar o nique postante novamente para constatar se não era ele...interessante!

Nihil Metilene disse...

Para o sr.William.

Irei escrever a quaréplica aqui,porque não consegui abrir a caixa de respostas,mais acima.

O sr.viu,como não exagero quando eu acredito que eu e o sr.Hosaka "temos uma origem comum"- e que já estivemos muito próximos um ao outro,num mundo remoto?
O professor Andros,umas vezes,no começo da nossa prosa,me confundia com ele.(o sr.Hosaka)
Mas,eu e nosso amigão do blog da Selma,temos algumas diferenças importantes.
Ele é um escritor mais "sutilizado",eu sou muito direta.
Ele é "mais maduro",eu sou meio infantil.

Ainda assim,talvez somos "animados" pelo mesmo espírito.
Essas coisas acontecem.
Vcs ainda irão encontrar (se já não encontraram) suas "almas gêmeas".

Daniel disse...

Você é muito viajadora da maionese Nihil.
Para você basta que alguém aponte ou que você mesmo veja alguma similaridade de gostos entre você e uma outra pessoa para você si imaginar tendo feito sexo com essa pessoa em uma outra encarnação.

Para você a famosa pergunta dos drogados: FUMASTE?