sábado, 19 de outubro de 2013

O Melhor do Brasil

  “Podemos não ter muitos motivos para nos sentirmos completamente felizes por sermos “verde amarelos”, mas se ao menos, inventamos esses motivos, parece que tudo fica um pouco melhor”.  [Nihil]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
  Parece que fica, mas não fica, até piora a maioria das coisas.
  Inventando motivos para nos orgulhar ficamos mais alegres, mas eu chamo isso de alegria de bobo.
  Veja o que acontece na compra de um carro por exemplo:

  “E quem paga por tanta cobrança é o consumidor, que arca também com os impostos que se somam ao longo da produção, como os tributos sobre insumos, folha de pagamento, lucro etc. “Se for levar em conta a carga tributária real, o valor é ainda mais alto. Se o veículo custa 100 e a carga tributária 40, o custo do veículo é 60. A carga sobre o custo é de 67%”, explica Amaral.” [Globo]

  Você entendeu a matemática da coisa?
  Vamos um pouco além para amarrar isto em outro texto que escrevi, vem comigo!
ºººººººººººººººººººººººººººº

  Suponhamos que você FINANCIE um carro de 30 mil e seu valor final chegue a 40 mil.
  Para ficar redondo ficamos com a seguinte aberração:
  O produto, o carro em si, custou 10 mil, este é o valor que fica repartido por TODA a cadeia PRODUTIVA.
  O Estado fica com 20 mil! E os bancos com 10 mil!

  Quando você compra um carro zero, claro que fica alegre…ALEGRE DE BOBO.

  O melhor do Brasil é…seu território magnifico.

  O povo é uma triste comédia, como em minha vida a “lógica de Ford” prevalece então até consigo rir de vez em quando, mas gostaria que fosse diferente.
  Queria fazer parte de um povo do qual eu pudesse me orgulhar e não que fosse motivo de piada para qualquer pensador minimamente observador e que conheça matemática básica.
  Calma que ainda fica pior, se o problema fosse só impostos já seria ruim, mas achamos “chique” pagar caro, nossa noção de valor é deprimente.
   “O City sai de Sumaré, vai para o porto de Santos, navega 8 mil km num contêiner e chega às concessionárias mexicanas custando R$ 33.500. Aqui, o mesmo carro, da mesma fábrica, custa R$ 53.600. Aí só afogando as mágoas.”


  “Você pagaria R$ 6 mil numa geladeira? Uma família de classe média até tem como pagar R$ 6 mil numa geladeira – nem que seja financiando e parcelando a perder de vista. Mas não. Não paga. As pessoas acham R$ 6 mil demais para uma geladeira. Mas com carros tudo muda de figura. O brasileiro típico ainda acha normal hipotecar a vida num carro. E com a subida na renda média nos últimos anos, R$ 50 mil, R$ 60 mil já parecem um preço ok por um carro razoável. Mas não. Isso é preço de Mercedes lá fora.” [Alexandre Versignassi]


anterior                                           <>                                                próximo
Postar um comentário