segunda-feira, 3 de março de 2014

Conto do Arrozal

  “É pior cometer uma injustiça do que sofrê-la, porque quem a comete transforma-se num injusto e quem a sofre não.” [Sócrates]
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
ARQUIVO: quinta-feira, 14 de julho de 2011.

  Um homem com muito trabalho juntou algum dinheiro e comprou uma pequena propriedade para garantir seu sustento.
  Viu que a região era boa para plantar arroz e se pôs a preparar o local.
  Depois de 5 anos de trabalho duro o arrozal estava lindo e pronto para dar lucro.
  Seu vizinho muito religioso disse: “Se Deus quiser, terás uma grande colheita.”

 - “Se Deus quiser” !? Depois de tanto trabalho é JUSTO que a melhor colheita aconteça.

  Deus não gostou nada daquele comentário e transformou o Homem em sapo.
  O homem ali da lagoa viu seu arrozal se perder e o mato tomar conta de sua propriedade.
  Depois de 5 anos, por “misericórdia”, Deus resolveu dar mais uma chance ao desgraçado ser.
  O homem voltou a ser humano, trabalhou por 5 anos e recuperou seu arrozal.
   Seu vizinho religioso disse: “Se Deus quiser, terás uma grande colheita”.
  O Homem, com seu corpo cansado, olhos cheios de lagrimas, sentenciou:
 “Se ele não quiser, a lagoa está logo ali!”
_________________________________
  Remexer arquivos por vezes é dolorido, mas por outro lado é bom para não esquecermos o caminho percorrido.
  Em uma fase muito difícil de minha vida encontrei esse conto na Internet, se fosse antes eu ficaria impressionado com a teimosia do homem, mas naquele momento, eu mesmo transformado em sapo, pude entender toda dor daquele homem.
  Na minha vida também foi mais ou menos assim só que diferente do homem da história eu sempre fui temente a Deus e o agradecia por tudo, isto não impediu que eu fosse transformado em sapo, então conclui que o pouco que consegui foi só fruto do meu próprio esforço, do meu trabalho.

  Eu me descobri CRIATURA, entregue à própria sorte.

  O mal poderia me atingir a qualquer momento e não tinha papai do céu que se interessasse em me proteger.
  Desistindo da Fé e buscando mais a lógica consigo viver razoavelmente bem, mas não me iludo sei que nunca estou seguro, inevitavelmente serei devorado.
  Devido as coisas que escrevo, vira e mexe sou ameaçado: “Agradeça a Deus pelo que tem ou será castigado”.

  Mas como todos sabem, cansei de implorar as migalhas de “Deus”, enquanto ele me tolera vou cuidando do meu arrozal, já descobri que não sou filho, sou apenas criatura.
  A descoberta foi só minha, [segundo a Bíblia] Deus já sabia desde o princípio a minha condição eu me esforçava para ser cópia, mas minha natureza falou mais alto, eu sou um Livre Pensador.
ººººººººººººººººººººººººººººººººººººº
   Se eu observar a mão de Deus [sorte] em alguma benção me sentirei na obrigação de agradecer, mas se tudo é fruto do meu esforço não vejo razão para agradecer e nem receber alguma maldição, mas o que pode o homem diante das “interferências”?
  Eu faço tudo para merecer uma vida boa, digna, próspera, mas se Deus não quiser que eu tenha…a lagoa é logo ali, sinto muito por todos que decepcionei.
  Como qualquer humano, não consigo escolher o que sentir, posso decidir como AGIR e diferente da maioria eu ajo como PENSO.

  Não filosófo uma coisa e faço outra totalmente diferente, a ação tem que ter uma lógica não pode ser “é assim porque é assim”.

  Chegou um momento em minha vida que já não suportava mais ver tantas injustiças e incoerências e continuar fingindo que tudo estava bem, “oooh glória a Deus!” ou “Freud explica!”
  Se é difícil para você que lê imagine para eu que VIVI!
  Ainda não cansei da vida, mas estou extremamente exausto de implorar por migalhas, vou vivendo, as migalhas que vão caindo vou pegando de bom grado, já não lutando tanto, nem me esforçando tanto. A hora que acabar…ACABOU!

  Um beijo para minha esposa, filhas, família.
  Um forte abraço para amigos e conhecidos.
  Boa sorte para todos meus irmãozinhos de existência, viver não é brincadeira não.
  Se me restar algum tipo de consciência só posso dizer que…SENTIREI SAUDADES!

CUIDEM-SE BEM!



anterior         <>              próximo