quarta-feira, 18 de setembro de 2013

PLR

  “O dinheiro é, na verdade, a coisa mais importante do mundo; e toda a moralidade sólida e bem sucedida, pessoal ou nacional, deverá basear-se neste fator”.
[Bernard Shaw]

  Não considero o dinheiro a coisa mais importante do mundo, mas sem dúvida é um meio para termos coisas importantes e “sinaliza um resultado”.

  Um povo eficiente é aquele que produz riquezas, mas isso não basta, é preciso que tenha bons mecanismos de distribuição de renda.
  Quanto maior o número de indivíduos na classe média melhor é a distribuição, pois devido a diversidade humana muito ricos ou muito pobres sempre existirão.

 Gostaria que os cálculos do IDH fossem melhor elaborados.
 A melhoria da qualidade de vida deve ser a meta de todo e qualquer governo ... sem gastar mais do que arrecada.

  Não adianta ter um PIB monstruoso se a qualidade de vida do povo deixa muito a desejar para boa parte da população.
  É como se eu tivesse uma renda mensal de 20 mil e submetesse minhas filhas a uma vida mais frugal possível.
  Se eu trago a maior parte da renda para casa é até justo que eu tenha o melhor carro, mas deixar minha esposa sem nenhum demonstraria que não tenho muito apreço por ela.

  No caso do Governo é ainda mais grave porque somos nós que trabalhamos para produzir riqueza.
  É como se minha esposa trouxesse o dinheiro e eu ficasse com as melhores coisas.

  FHC e sua equipe desenvolveram ao meu entender duas ferramentas excepcionais para forçar uma distribuição de renda:

  Bolsa Escola, que Lula mudou o nome para “Bolsa Família”.

  PLR - Participação nos lucros e resultados.

  O Bolsa Família “desgraças” ao PT foi além do que o bom senso manda.
  O PLR, francamente, é tão tímido que é como se não existisse.

  Se a Empresa tem um lucro excepcional no ano seria justo que seus funcionários fossem melhor remunerados.

  Certa vez fiz uns cálculos e observei que se algumas empresas distribuíssem apenas 10% de seu lucro para os funcionários iria haver gente rindo de orelha a orelha o ano inteiro.

  O PLR é bom porque não ACORRENTA a empresa ao salário.  
  Se o ano não for bom para a Empresa o PLR também será baixo ou nem será pago; diferente do que acontece com o aumento de salário que não importa nem se a Empresa teve prejuízo, tem que ser pago.

  Palestras de “motivação” me dão até náuseas, falam em tudo menos da importância de receber um bom salário ou na impossibilidade dele, receber bons prêmios (em dinheiro) por lucro obtido.

  Motivação para mim é bom ambiente de trabalho e quanto mais dinheiro melhor, se o cabra não se motivar com essas coisas manda ele para a terapia do desemprego.
😄

  Você, seu "disinfeliz", está demitido!







   “Na economia sempre tem gente ganhando muito dinheiro e sempre tem gente perdendo muito dinheiro.
  Quem está ganhando não deve se importar em dividir 10% de seu LUCRO com os funcionários.
   Esse dinheiro acaba circulando na economia dando um alivio a quem está em baixa.

  Um ótimo lugar para o dinheiro estar é NO BOLSO DO TRABALHADOR.

  Que vai consumir melhorando sua qualidade de vida (diminuindo a desigualdade) e gerando mais EMPREGO.
  Se com meu PLR compro mais sorvete ou troco de carro GERO EMPREGOS.

  Veja o caso super comentado do rapaz “Rei do Camarote” que gastou 50 mil na balada.
  Não vejo nenhum problema, o dinheiro é dele, gasta como quer.
  Se sua empresa é tão lucrativa QUANTO DE PLR PAGA AOS FUNCIONÁRIOS?
  Se não paga um PLR condizente...aí está o problema.
  Muito dinheiro se concentrando nas mãos de pouquíssimos indivíduos que nem sabem o que fazer com ele... tudo está tão certo que parece errado.
  Na minha opinião ESTA ERRADO.



 .



.

Nenhum comentário: