quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Garganta não Pensa


  “Antes de consultar o capricho consulta a carteira.”
[Benjamin Franklin]

  Observo que as maiores dificuldades financeiras que surgem na vida das pessoas vem de como elas gastam e não tanto pelo quanto ganham.

  A prioridade dos gastos devem ser os itens básicos de sobrevivência.

   Na minha adolescência morava no quintal da minha vó, praticamente não tinha gasto com moradia.
  Meus itens básicos eram água, luz, comida e poupança.
  Tudo mais tinha que esperar, não tinha jeito.
 
  Hoje, com a vida melhor estruturada meus itens básicos são:
  Condomínio, luz, Internet, alimentação, combustível e poupança.

  Sou disciplinado só poupo, invisto, satisfaço um capricho com o dinheiro que sobra dos itens essenciais.

  No começo entregava todo salário para minha mãe e não me sobrava nada.
  Percebi a duras penas que minha mãe era péssima com dinheiro.
  Mesmo eu trabalhando faltava comida, a conta de luz era paga com atraso ...
  Parei de dar o dinheiro, assumi até às compras de supermercado, pensei que iria me ferrar, mas apesar de ter mais trabalho não faltou mais comida em casa e todas as contas eram pagas em dia sem multas.

  Desde que comecei administrar integralmente meu salário sempre fiz sobrar alguma coisa por menos que ganhasse.

  Colocava a “economia” na poupança, ficava planejando alguma coisa que pudesse aumentar minha renda.

  Como Benjamin Franklin sugeriu, adquirir conhecimento é um bom investimento.

“Se você acha que a instrução é cara, experimente a ignorância.”


  Vamos dizer que em dinheiro de hoje eu fizesse sobrar 200 reais.
  Muitos preferem gastar tudo que ganham, não elegem poupança como prioridade.
  Por vezes teriam a possibilidade de economizar 200 reais, mas “acham tão pouco que nem compensa guardar”, compram um calçado, roupa, alguma diversão...

  (Por favor, não sejam radicais, claro que algum dinheiro deve ser gasto com nosso prazer, mas para sobrar alguma coisa o gasto com prazer deve ser bastante “meditado”.)

   Muitos acreditam que poupança só deve ser para grandes quantias.
  (Em relação ao que ganham)
   Quem ganha 1000 reais admite poupar só se sobrar de 500 reais pra cima, coisa que só acontece no recebimento do décimo terceiro, PIS, ou algum acontecimento inesperado.
  Esse tipo de pessoa administra tão mal o dinheiro que não raro tem dividas, quando chega alguma grana extra ... vai para quita-las.
  Enfim, o cidadão nunca tem capital de reserva, se ocorre um imprevisto recorre a empréstimos e paga juros.

  Sou o tipo de pessoa que se sobra 50 reais, poupo 50 reais.
  Já ouvi muita gente endividada dizer que 50 reais não são nada ao que eu rapidamente respondo.
   - Então dá pra mim! 😄
  (Até agora ninguém agiu de acordo com o que falava.)

  Se o dinheiro não sobra porque está gastando com instrução ... podemos colocar no campo do “investimento”.
  Já vi pessoas perderem um emprego melhor por não terem o segundo grau.
  No Brasil esse estudo pode ser concluído de graça e os “200 reais” do nosso exemplo ficam para os inevitáveis gastos extras com transporte e material escolar.

  Você não tem nem os 200 reais?

  Tente algo mais próximo de casa e vá a pé.
  Quanto aos materiais peça ajuda, temos incontáveis serviços de assistência social, você precisa deixar bastante o “orgulho” de lado e não ter vergonha de se admitir pobre.
  Encare a realidade de frente.

  Quero dizer que:

  Ficar só reclamando é usar a garganta quando você deveria usar o cérebro.


  Todo pobre gostaria de ter nascido em melhor condição, mas lembre-se que se você nasceu muito pobre foi por ação de seus pais ou vontade de Deus.
    


  Antes de eu ter duas filhas me preparei economicamente para recebe-las, minhas dificuldades na infância foram de meus pais não terem o mesmo “racional cuidado”.

  Há pessoas que repetem sistematicamente:
  “Deus está no controle de tudo.”
  Se acredita mesmo nisso então você nascer "pobre lascado" foi um plano de Deus, aceite.

  Se você não culpa seus pais ou Deus por sua condição de nascimento ... porque quer culpar toda Sociedade!?


  “Decifra-me ou te Devoro!”
   




  “Ninguém sabe o que aconteceu/Ela se jogou da janela do quinto andar/Nada é fácil de entender.”
[Legião Urbana]


.